João Pessoa, 29 de junho de 2017 | --ºC / --ºC 02:00 - 0.6 | 08:24 - 2.2 | 14:45 - 0.5 | 20:58 - 2.0 Dólar 3,30 - Euro 3,77

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Marina

Comentários:
publicado em 19/08/2014 às 16h48
A- A+

É um engano reduzir o desempenho da ex-ministra Marina Silva, na nova pesquisa DataFolha, ao impacto gerado após a morte do ex-governador Eduardo Campos. Em outubro do ano passado, Marina registrava no Ibope os mesmos 21 pontos percentuais agora atribuídos a ela sob esse intenso clima de comoção nacional.

A diferença de cenário se dá, por enquanto, não pelo apelo que a eleição passa a ter a partir de agora, mas de cara pela inserção em si da ambientalista no processo. Sem ela na parada, havia certo conforto da campanha de Dilma pela probabilidade de vitória já no primeiro turno. Com Marina, a coisa muda. Ou volta a ser como era antes dela ser alijada do pleito.

A constatação, porém, não anula o poder dos contornos emocionais. Pelo contrário, a candidatura da ex-seringueira deve ser beneficiada pelos efeitos do acidente que abateu prematuramente uma liderança emergente na política brasileira, embora seja muito cedo para auferir o tamanho dessa influência.

O DataFolha mostra que a performance de Marina se dá perante a fatia indecisa do eleitorado. Ela praticamente não mexe nos votos de Dilma e Aécio. Marina entra forte naquele segmento do eleitor órfão de opção, provavelmente uma banda da população insatisfeita com o atual modelo político atual e que vê nela uma alternativa.

Passado o impacto da perda brutal e precoce de Eduardo, o maior desafio da ex-senadora é provar na campanha e nos debates capacidade administrativa e condições de, em sendo eleita, garantir a tal governabilidade num País tão complexo e cheio de raposas famintas no Congresso.

Ou seja, a memória de Eduardo – bem mais conhecido após a morte – ajuda nessa onda, mas o crescimento e consolidação dependem muito do discurso e ideias de Marina. Afinal, na hora do voto o eleitor fará uma séria escolha. Não uma homenagem.
 

*Artigo publicado na coluna do jornalista no Correio da Paraíba, edição do dia 19/08/2014 (terça-feira)

Leia Também