João Pessoa, 13 de novembro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
Convênio

PB poderá fazer remédio da maconha

Comentários:
publicado em 13/11/2018 às 12h27
atualizado em 13/11/2018 às 15h53

Em reunião na sede do Ministério Público Federal (MPF), em João Pessoa, representantes da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), do Laboratório Industrial Farmacêutico da Paraíba (Lifesa) e da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), órgão do MPF, prosseguiram com tratativas para celebrarem convênio que permitirá a fabricação de medicamento a partir da maconha. A reunião ocorreu na sexta-feira (9).

A ideia, segundo o procurador regional dos Direitos do Cidadão, José Godoy Bezerra de Souza, é que seja plantada maconha na UFPB e a erva seja utilizada pelo Lifesa, laboratório oficial do estado, para produzir medicamento com padrão farmacêutico. “Um dos próximos passos é solicitar autorização de cultivo da planta pela UFPB e a fim de que a universidade e o Lifesa desenvolvam pesquisa para registro do medicamento perante a Anvisa”, adiantou José Godoy.

As tratativas para a produção do medicamento em escala laboratorial, em parceria com a UFPB, já ocorrem há mais de um ano. Em maio de 2017, a vice-presidente da Liga Canábica, Sheila Geriz, informou que a liga estava trabalhando numa parceria para que a universidade cultivasse a cannabis, produzisse os óleos e começasse a fazer estudos clínicos com os pacientes que já utilizam os óleos extraídos da maconha.

Além do procurador da República José Godoy, participaram da reunião o diretor do Lifesa, Sérgio Augusto da Motta, a professora do Departamento de Fisiologia e Patologia da UFPB, Katy Lísias Gondim Dias de Albuquerque e a coordenadora de convênios da UFPB, Verônica Lins de Araújo Macedo.

Eficácia do medicamento – Documentos médicos e artigos científicos indicados pelo MPF em ação judicial, que já garantiu o cultivo da maconha na capital da Paraíba, exclusivamente para fins medicinais pela Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança (Abrace), apontam inexistir dúvidas sobre a eficácia do uso dos óleos da cannabis no tratamento de crises epilépticas e outras doenças. Seu uso já é autorizado em vários países como Inglaterra, Nova Zelândia e Canadá e em mais de 20 estados americanos.

MaisPB

Leia Também