João Pessoa, 03 de outubro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
Interação com seguidores

Gisele Bündchen abre o jogo e fala sobre casamento com Tom Brady

Comentários:
publicado em 03/10/2018 às 20h01
atualizado em 03/10/2018 às 20h02
Gisele Bündchen é casada com Tom Brady (Foto: Divulgação)

Gisele Bündchen resolveu interagir com seus seguidores do Instagram nesta quarta-feira, 03 de outubro. A modelo respondeu algumas perguntas enviadas pelos internautas e acabou falando sobre a família. A brasileira foi questionada sobre o segredo para o casamento com Tom Brady. “Comunicação aberta e amorosa”, afirmou.

A modelo citou os filhos como sua maior conquista e declarou sentir saudades do Brasil: “Sempre”. Gisele Bündchen, como informado pelo TV Foco, vai lançar uma autobiografia.

No livro, ela faz revelações sobre a vida pessoal e conta o que sentiu quando o marido contou que a ex-namorada estava grávida. “Dois meses namorando, Tom me disse que sua ex-namorada estava grávida. No dia seguinte, as notícias estavam em todos os lugares e eu senti que o meu mundo havia virado de cabeça para baixo”. contou ela.

GISELE BÜNDCHEN REVELA CRISES DE PÂNICO E PENSAMENTOS SUICIDA

Quem vê toda a autenticidade de Gisele Bündchen nem imagina o que ela já enfrentou no passado. Aos 38 anos, a top model revelou que já teve um pensamento suicida no passado. “As coisas podem parecer perfeitas do lado de fora, mas ninguém tem ideia do que realmente acontece”, lamentou à revista People.

“Me diziam que meu nariz era muito grande e meus olhos muito pequenos, e que eu nunca estaria na capa de uma revista”, disparou a loira. Em 1997, ela foi parar na sua primeira capa da Vogue, e já no ano 2000, assinou um contrato de 25 milhões de dólares com a Victoria’s Secret, na época que começou a namorar Leonardo DiCaprio.

O pensamento suicida, todavia, veio depois de tudo isso e não antes. As conquistas a deixaram ansiosa, e em 2003, durante um voo, ela teve a sua primeira crise de pânico. “Eu estou numa ótima posição na minha carreira e sempre me achei muito positiva, então pensava ‘Por que estou me sentindo assim?”, revela.

“Me senti desamparada. Seu mundo parece menor e menor e você não consegue respirar. Eu realmente tive o desejo de só pular de um prédio e nunca mais ter que me preocupar com esses sentimentos”, lamenta ela, que procurou um especialista, mas mesmo assim garante: “A ideia de depender de um medicamento me apavorou”. “E se eu perder o remédio? Vou morrer? Eu fumava, bebia vinho e tomava café todos os dias. Parei com tudo do dia para a noite”, explica ela, que hoje abandonou o açúcar e se dedica ao yoga e meditação.

Otvfoco

Leia Também