João Pessoa, 30 de setembro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
Por direitos LGBTI

Rio realiza 23ª Parada do Orgulho LGBTI

Comentários:
publicado em 30/09/2018 às 16h03
atualizado em 30/09/2018 às 16h04
Foto: Bruno Albernaz/G1

Centenas de pessoas se concentram, desde o início da tarde deste domingo (30), na Avenida Atlântica, em Copacabana, para a 23ª Parada do Orgulho LGBTI. Oito trios elétricos animam o público na altura do Posto 5. Segundo a meteorologia, a tarde deste domingo permanece ensolarada, com temperatura de até 31°C.

A festa é comandada por Suzy Brasil, uma das drags mais famosas da noite carioca, que também conduz os shows. Luisa Sonza, Lexa, Lorena Simpson, MC Pocahontas, Funtastic, Gabily, Clau, Ananda, Donas, Lary, MC Nem, As Baphônicas e Armário de Saia já se apresentaram no local.

Para a noite, uma das atrações mais aguardadas é a cantora Gretchen. E quem fez falta nos palcos foi a cantora Wanessa Camargo, que cancelou sua participação no evento por motivo de saúde.

Esse ano a manifestação terá como tema “Vote em ideias, não em pessoas. Vote em quem tem compromisso com as causas LGBTI”. O intuito é despertar na comunidade LGBTI mais engajamento e participação nesse momento político, escolhendo candidatos que tenham compromisso com as causas e lutas em prol do respeito e diversidade.

Manifestações políticas também foram vistas na Parada do Orgulho LGBTI deste domingo. Gritos de “Ele não” puderam ser ouvidos e alguns representantes políticos marcaram presença no local.

De acordo com a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT), em 2018, o número de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais que se candidataram a uma vaga nos poderes Executivo e Legislativo aumentou 386,4%, se comparado às últimas eleições.

Num país como o Brasil, que é o que mais mata pessoas LGBTI no mundo, a necessidade de representatividade na política é urgente. “Nossos direitos, nossa cidadania e principalmente nossas vidas dependem das escolhas que faremos nas urnas”, afirma Almir França, presidente do Grupo Arco-Íris, ONG que organiza a Parada desde sua fundação, em 1995.

Segundo a Guarda Municipal, muitos furtos aconteceram durante toda a programação e os agentes estão atuando para coibir a ação de criminosos.

G1

Leia Também