João Pessoa, 08 de junho de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Odilon Fernandes – advogado, escritor, professor e procurador federal aposentado.

As várias formas do amor

Comentários:
publicado em 08/06/2018 às 12h10

Segundo HamdullahOzturk, em artigo publicado em 31/10/2017, que transcrevo a seguir:

Admiração, afeição, desejo… Ele tem a profundidade capaz de levar a Deus

Na essência da criação do universo há o amor. Conforme as suas manifestações, o ser humano o nomeou de diferentes formas. O nome cria a base do conhecimento. Quando Deus criou Adão, ensinou-lhe os nomes e quando o Adão começou a compreender a criação, deu nomes às coisas conforme seus significados. E de acordo com estes nomes, ele classificou as coisas. Assim, o amor foi nomeado de diferentes modos.

Quando o amor se manifesta no corpo humano, isso é denominado desejo. Quando se manifesta na sua mente, é admiração. O amor que se manifesta no coração, além daquele que se manifesta na mente e no corpo, é chamado de afeição. Afeição é uma dimensão ligada à mente e ao corpo que os faz alcançarem o amor puro, mas ela não depende de ambos. Enquanto a afeição avança, aprofunda-se mais. Portanto, nesta profundidade, observam-se duas manifestações, êxtase e atração. Por meio destas manifestações, alcança-se a paixão, e a paixão é conhecida como o caminho mais curto para chegar ao verdadeiro amor.

O ser humano moderno, consumista, começou a consumir também o amor. As dimensões do amor como admiração, afeição e paixão ficaram em segundo plano, enquanto o desejo ficou mais proeminente. O desejo é uma dimensão forte e mais sentida no corpo por todos, e a continuidade da nossa vida e da geração depende dele. E este sentimento tão forte se transformou em uma mercadoria infinita nas mãos dos mestres de marketing.

Ele foi produzido repetidamente em diversas formas e revendido várias vezes. Neste comércio, o amor, que possui a profundidade de levar a Deus, se tornou uma meta vendida, comprada, desperdiçada e facilmente obtida. Portanto, este mercado causou o surgimento de diversos problemas.

O Alcorão chama nossa atenção para sete pontos principais sobre o desejo. O primeiro destes pontos é a relação entre homens e mulheres. O segundo é o amor para ter filhos. Depois vem o amor pelos objetos preciosos como ouro, prata e pelo dinheiro. Depois vem o amor pelos veículos de transporte, antes cavalos, hoje carros e outros meios. A relação humana com o amor se estende ao comércio, terrenos e casas.

Caso todas estas relações sejam bem compreendidas e utilizadas da maneira certa, isso nos leva à admiração, depois à afeição e paixão. Para tal, é necessário equilibrar o desejo pela razão. Senão o amor se transforma em prazer e começa o consumo além do essencial. Assim, tal consumo se estende até o autoconsumo ainda na juventude. Infelizmente, encontramos inúmeros indivíduos consumidos enquanto jovens.

Os problemas causados pelo mau uso do amor provocam uma espiral de problemas, e isso coloca o potencial humano em um conflito. O ser humano que combate consigo mesmo se adota como inimigo.

Infelizmente estamos observando demasiadamente as reflexões deste triste retrato na sociedade. O mais triste é que não temos soluções para tal. A solução destes problemas depende de nós terminarmos o nosso próprio conflito interno. A religião diz o seguinte para alguém assim: “Se você for firme para resolver este conflito, Deus perdoará todos os seus pecados e será como se você não tivesse cometido pecado nenhum”.

Na minha opinião, uma das coisas fundamentais para que exista o amor é que não se coisifique a esposa, não se veja nela um simples objeto sexual, não se seja possessivo, respeitando-a na sua privacidade, na sua intimidade e lembre-se sempre que até hoje, pelo menos um pouco de romantismo é fundamental e convencer-se de que amar e ser amado é algo que dignifica e dá mais sentido a própria existência.

Posso concluir, fazendo uma reverencia ao dia dos namorados, afirmando que a 49 anos aprendi e vivi durante todo este tempo a plenitude do amor, vivo a grandeza do amor, a sua totalidade, todos os seus aspectos, fases, de nuances pela única mulher que me fez viver a grande nobreza dos sentimentos mais altruístas e dedicação a uma mulher, esta mulher é MIRIAM CELESTE, minha Divina companheira que tenho em conta como um presente divino e a razão da minha existência, que me engrandece em todos os sentidos, tornou-me um homem melhor que ama a Deus sobre todas as coisas e ao próximo, consciente que todos possuem virtudes e defeitos, pois a perfeição existe apenas no Senhor todo Poderoso, pai de todos nós. Por algumas poucas pessoas sinto intenso amor, mas o amor completo e em todas as suas modalidades devo e sinto apenas por Miriam, esta mulher maravilhosa que a mim se dedica integralmente, é responsável pelo homem melhor que consigo ser hoje, então Miriam, meu amor, minha vida, receba isto que afirmo como tributo no dia dos namorados, para você esta é a minha afirmação, a expressa e literal afirmação, eu amo demais você, anjo da minha vida, Miriam Celeste.

Odilon de Lima Fernandes

Leia Também