João Pessoa, 23 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração, presentemente exerce as funções de vice-presidente da APCA (Academia Paraibana de Ciência da Administração). Contato: diretorexecutivoaetc@yahoo.com.br

Por treinamentos no transporte coletivo

Comentários:
publicado em 24/11/2014 às 16h28

De um serviço como o do transporte coletivo urbano, pela abrangência de seu atendimento, a expectativa sempre é a de que seja operado dentro de um padrão de satisfação plena. Em outras palavras: em um dia de operação, em que – como no caso de João Pessoa – cerca de 4,8 mil viagens são realizadas, as 4,7 mil efetivadas com normalidade nunca chamam a atenção! Mas, as outras 100 viagens (tão somente 2% do total) que tenham ocorrido com algum contratempo, especialmente o de postura indevida de motorista ou cobrador, estas, sim, imediatamente ganham divulgação e reclamação do tipo “é falta de treinamento!”, com repercussões sobretudo através das emissoras de rádio!

Um sistema de transporte coletivo urbano, mesmo sem o porte de uma metrópole, mas com a dimensão de uma João Pessoa com seus 468 ônibus circulando como frota efetiva nos dias úteis, corresponde a 468 vitrines que em vez de esperarem ser visitadas, elas são as que vão visitar (percorrer) os múltiplos lugares da cidade. E como o colega administrador Anchieta Bernardino costuma dizer, “os ônibus em seu dia a dia percorrem tanto os lugares chiques quanto os lugares até vistos como ´perigosos´”.

De nossa parte, pessoalmente, já testemunhamos reclamações, inclusive em audiências nos Procons ou órgãos do Ministério Público Estadual, alegando-se que “as empresas não treinam seus motoristas”. Mas, treinam, sim! Somos testemunhas do esforço que cada empresa realiza no treinamento de seus operadores, os quais, no conjunto do sistema, correspondem a bem mais de 3 mil. Entretanto, como ocorre em relação a qualquer outro segmento (de médicos, engenheiros, administradores, magistrados, membros do MP etc), os treinamentos – incluindo os relativos ao bom relacionamento com as outras pessoas – nunca são em sua plenitude assimilados nem postos em prática.

Como exemplo desta preocupação das empresas de transporte coletivo da Grande João Pessoa para com a preparação de seus integrantes e por conseqüência oferecerem um serviço crescentemente eficiente, por toda a manhã e início da tarde do recente sábado (dia 22), mais de 80 profissionais e empresários estiveram reunidos no auditório do Igatu Praia Hotel em um seminário para maior aprofundamento e domínio da tecnologia da bilhetagem eletrônica, evento que contou até com a presença do presidente da empresa Transdata (Paulo Tavares) que, nessa área, atua por todo o Brasil e alguns países da América. Tudo foi realizado sob a coordenação do diretor de planejamento da AETC, Maximiano Machado, e assessorias de Eduardo Varandas, Josélia Alves e Cristiane Maranhão. Foi um evento/treinamento “nota 10”