João Pessoa, 19 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
PEDAGÓGICA

Secretário entende que forças políticas não mudam eleição: ‘importante é o povo’

Comentários:
publicado em 06/01/2015 às 18h18

O secretário estadual de Comunicação, Luis Tôrres, declarou, nesta terça-feira (06), que a eleição estadual de 2014, na qual o governador Ricardo Coutinho (PSB) conseguiu se reeleger, foi pedagógica, pois quebrou paradigmas, mostrando que a vontade do população está acima de qualquer arrumação de forças políticas. 

Tôrres lembrou que Ricardo entrou na eleição com o apoio de apenas seis, dos 36 deputados da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), e mesmo assim saiu vitorioso.

“A eleição de 2014 foi o seguinte: a população disse que o caminho é esse, aceitou o modelo de gestão de Ricardo. O governador não tinha o apoio de 30 deputados. Não faz diferença você ter as forças políticas lhe apoiando. A população quer saber se o hospital está funcionando, se a escola técnica está sendo construída, se o Centro de Convenções está recebendo eventos”, afirmou.

Ele ressaltou que o grande desafio da segunda gestão do socialista será fazer mais com menos recursos. "Se já era difícil comparar o segundo mandato com o primeiro, devido a grande quantidade de obras. agora será mais ainda, pois a determinação do governador é fazr muito mais, com menos recursos", sustentou. 

Sem citar nomes, o secretário alfinetou o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), que disputou o cargo de governador no pleito passado, mas foi derrotado por Ricardo.

“Foi uma lição de que a partir de agora o eleitorado paraibano faz exigência de resultado de trabalho e não de postura pessoal. O eleitor quer saber de resultado de trabalho, não quer saber se alguém é assim, ou assado”, disse.

Tôrres também lamentou a postura da imprensa em determinados momentos do primeiro governo de Ricardo.

“Não adianta a imprensa querer criar um cenário de caos no governo que não existe, a população não aceita isto. Se o serviço tiver bom não vale à pena bater que a população não acredita, se o serviço estiver ruim a rejeição vem de pronto”, afirmou.

Cristiano Teixeira – MaisPB

Leia Também