João Pessoa, 21 de agosto de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Ex-senador e Empresário.

Viva a Paraíba

Comentários:
publicado em 25/01/2015 às 21h13
A- A+

Quem é paraibano sabe: é difícil, incomum mesmo, localizar o Estado em posições invejáveis nos rankings nacionais que medem as performances econômicas, sociais e culturais dos entes federativos brasileiros.

Desafortunadamente, quase nunca figuramos entre os melhores.

Na verdade, via de regra a Paraíba aparece lá atrás, nos últimos locais do pódio, esmagada pelo vigor econômico dos demais estados.

E, mais uma vez, um novo ranking encontra a Paraíba entre os últimos.

Desta vez, porém, estar no final dessa hierarquia é alvissareiro.

Em levantamento conduzido pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas, a Paraíba aparece com uma das menores dívidas externas do País. É o vigésimo segundo estado menos endividado junto a instituições internacionais.

Somente Rio Grande do Norte, Goiás e Amapá têm dívidas menores.

No outro extremo do ranking da FGV estão Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco – estados que assistem o crescimento vertiginoso dos seus níveis de endividamento externo, pressionados pela forte valorização cambial registrada nos últimos meses e pela perspectiva de que o dólar alcance a marca de 2,70 reais ao longo do ano.

Cálculos do Banco Central sinalizam que o bolo das dívidas inflou pelo menos dois pontos percentuais no ano passado. E já provocam impacto gigantesco nos cofres estaduais. Em Pernambuco, por exemplo, a dívida externa representa hoje 21,8 por cento da receita líquida do Estado.

Para se ter ideia da distância que nos separa dos pernambucanos, a dívida da Paraíba representa apenas 3,7 por cento da receita líquida do Estado.

Os endividados, na verdade, caíram em uma armadinha pregada pelo mercado.

Muitos deles trocaram as dívidas com o Governo Federal influenciados por juros mais atrativos oferecidos pelo Banco Mundial (Bird) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), além de bancos privados internacionais.

No momento da troca, parecia um bom negócio: o câmbio era favorável e se mexia pouco.

Os ventos, porém, mudaram. E empurram para cima o nível de endividamento dos estados.

Fora dessa ventania, só resta celebrar:

Viva a Paraíba!

Leia Também