João Pessoa, 30 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
MORTE DE VIGILANTE

Delegado conta detalhes da prisão de suspeito

Comentários:
publicado em 30/10/2017 às 10h35
atualizado em 30/10/2017 às 11h38

O delegado da Polícia Civil, Aldrovilli Grisi, considerou, na manhã desta segunda-feira (30), como sendo de alta periculosidade o suspeito de participar da morte do vigilante Fábio Alves na frente de uma escola em João Pessoa.  Ele foi preso durante uma operação da Polícia Civil e Polícia Militar no bairro de Mandacaru no final de semana.

De acordo com o delegado, o suspeito identificado pelo pré-nome de Wallace, conhecido também pelo vulgo de ‘Esquerdinha’, já era procurado por outros crimes de homicídios.

“Ele Era muito procurado pela Polícia Civil, já vinha sendo investigado por quatro crimes de homicídios e também era suspeito de participação no latrocínio que vitimou o vigilante Fabão”, destacou o delegado em entrevista ao programa Paraíba Verdade, da Rádio Arapuan FM.

Aldrovilli Grisi contou que nos últimos dois meses a Polícia Civil vinha fazendo várias incursões em Mandacaru até chegar ao suspeito que estava escondido em uma residência.

“Quando tivemos notícia da localização dele invadimos o imóvel e houve uma breve troca de tiros. Ele saiu pulando o muro e telhado da localidade, mas nossos investigadores conseguiram efetuar a prisão dele e conseguimos solucionar esse crime que teve uma repercussão até nacionalmente”, informou.

O delegado confirmou que na troca de tiros o suspeito foi ferido e socorrido ao Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa.

“Ele atirou contra a minha pessoa, mas revidamos de uma forma proporcional e o atingimos nas pernas enquanto fugia. Foi efetuada a prisão e ele foi socorrido para o Hospital de Emergência e Trauma para receber os cuidados possíveis. Já está próximo a receber alta”, destacou.

O suspeito preso foi o que estava pilotando a moto na hora do assalto. Agora a polícia trabalha para chegar ao autor de efetuar o disparo que matou o vigilante.

Roberto Targino – MaisPB

Leia Também