João Pessoa, 20 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
FRENTE A FRENTE

Zennedy: terceirização é ‘pedalada’ de Ricardo

Comentários:
publicado em 18/07/2017 às 00h25
atualizado em 18/07/2017 às 10h47

O secretário de Articulação Política de João Pessoa e presidente estadual do PMN, Zennedy Bezerra, alegou,  na noite desta segunda-feira (17), que o governador Ricardo Coutinho (PSB)  cometerá pedaladas com a contração de Organizações Sociais para gerir áreas da Educação no Estado.

Em entrevista ao programa Frente a Frente, apresentado pelo jornalista Heron Cid, na TV Arapuan, Zennedy Bezerra alegou que o governador contratará as OS para poder tirar a responsabilidade da folha de pagamento e jogar para o custeio.

“Além de precarização é um pedalada em cima da Lei de Responsabilidade Fiscal. O governador tira a pressão da LRF sobre a folha de pessoal da rede de ensino e passa para o custeio. Ele resolve driblar a Lei de Responsabilidade dessa forma. Não é regularizar direitos dos trabalhadores. Eles sairão da folha de pessoal e vão direto para a folha da OS custeada pelo Estado. Isso aí é uma pedalada. Então o Ministério Público do Estado e os órgãos fiscalizadores como o Tribunal de Contas devem ficar atentos para essa situação”, declarou Zennedy Bezerra.

Ainda durante a entrevista, Zennedy Bezerra falou de outros assuntos e comparou os projetos político de Ricardo Coutinho e do prefeito Luciano Cartaxo. Para Zennedy Bezerra, Luciano Cartaxo é um líder que dialoga, idealiza, e não é centralizador.

“O projeto do prefeito Luciano Cartaxo, inclusive, atende a seus aliados. Temos dez partidos hoje na base de sustentação do governo que participam efetivamente da administração municipal. A relação com o vice-prefeito  é de sintonia plena. Manoel Júnior vem trabalhando com  Cartaxo de maneira exemplar”, destacou.

Assédio moral contra vice

Para Zennedy Bezerra, diferente da relação de Cartaxo e Manoel Júnior, a vice-governadora do Estado, Lígia Feliciano, chega a sofrer “assédio moral” por parte do governador e seus aliados.

“O governador Ricardo Coutinho disse que só será candidato se tiver o controle do governo na mão. Já o procurador-geral do Estado sugere que para Lígia seria mais fácil se ela se filiasse ao PSB. Isso é um absurdo. Ainda para completar, o presidente estadual do PSB, Edvaldo Rosas, chegou a dizer que o procurador não representa a opinião do partido. Então é diferente a relação de Luciano Cartaxo com seu vice e com partidos aliados, secretários e conselheiros. A relação é muito mais fina”, destacou.

Vitória contra Ricardo

Questionado se as constantes visitas do prefeito Luciano Cartaxo pelo interior do Estado não seriam campanha antecipada, Zenney Bezerra  alega que as duas últimas vitórias do prefeito em João Pessoa deram dimensão ao nome do gestor.

Para Zennedy Bezerra, o grande derrotado por Cartaxo foi o governador Ricardo Coutinho porque o chefe do Executivo Estadual participou efetivamente das campanhas eleitorais na Capital paraibana.

“O governador disputou  praticamente a eleição. Ele ocupava mais de 30% do trinta por cento do guia eleitoral. Ele teve participação efetiva e o seu projeto foi derrotado  em 2012 e 2016 por Cartaxo. É natural que o êxito de Cartaxo desperte interesse de outros prefeitos”, afirmou.

Roberto Targino – MaisPB

Leia Também