João Pessoa, 22 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
SAÍDA PRECOCE

Presidente italiano Giorgio Napolitano renuncia

Comentários:
publicado em 14/01/2015 às 15h04

 O presidente italiano, Giorgio Napolitano, renunciou nesta quarta-feira (14) ao cargo. Napolitano, de 89 anos, anunciou no mês passado que se retiraria antes da expiração de seu mandato, em 2020.

A renúncia abre um delicado processo político para a nomeação de um novo chefe de Estado. Rumores sobre a renúncia do presidente já circulavam desde o fim de 2014. Ele aceitou relutantemente um segundo mandato em 2013, em um momento de crise política no país.

Parlamentares e autoridades regionais vão realizar em 29 de janeiro uma primeira rodada da votação para escolher o novo presidente da Itália no lugar de Napolitano, disse o parlamentar Alessio Villarosa, do Movimento 5 Estrelas.

Villarosa, que fez o anúncio após reunião parlamentar para fechar a data, disse que a votação começará às 15h (12h no horário de Brasília). Podem ser necessárias várias rodadas e o processo pode levar dias ou até semanas.

Não há claros favoritos até o momento entre os possíveis candidatos, que vão desde o ex-primeiro Romano Prodi e o atual ministro da Economia, Pier Carlo Padoan, ao juiz da corte constitucional Sergio Mattarella.

Mandato acordado

Este ex-comunista foi reeleito em 2013 por falta de um acordo no Parlamento sobre um novo candidato.

O veterano militante antifascista, amigo do poeta chileno Pablo Neruda quando se exilou na ilha de Capri e em Nápoles, desejava se afastar para uma vida tranquila.

Depois da eleição, ele trouxe alguma estabilidade política para a Itália ao indicar Enrico Letta, do Partido Democrático, de centro-esquerda, para formar um governo de ampla coalizão. Mas Letta renunciou em fevereiro, depois de perder batalha pela liderança de seu partido para o atual premiê, Matteo Renzi.

Renzi, de 40 anos, disse que deseja fechar um acordo rapidamente tanto com seu partido como com a oposição para escolher um sucessor. Mas a votação parlamentar secreta é imprevisível, e alguns analistas dizem que Renzi pode pressionar por uma nova eleição geral se não houver apoio amplo em torno de um nome para o próximo chefe de Estado.

Napolitano confidenciou a amigos que sofre de uma série de problemas relacionados à idade que tornam difícil para ele continuar no cargo, segundo o jornal “Corriere della Sera”.

Já o "La Repubblica” citou Emanuele Macaluso, um político aposentado e amigo próximo de Napolitano, para dizer que a decisão de renunciar "já está definida" e que o país não pode pedir para Napolitano "fazer mais sacrifícios".

G1

Leia Também