07 de dezembro de 2016 - 23:03

última hora
01/12/2016 às 10h57 • atualizado em 01/12/2016 às 10h58

Benjamin Maranhão responsabiliza o PT por agressões em aeroporto

Benjamin Maranhão

O deputado federal Benjamin Maranhão (SD) lamentou nesta quinta-feira (1) as agressões sofridas por ele e o prejuízo causado a muitos passageiros antes do embarque em um voo com destino à Paraíba. O parlamentar disse que o incidente mostra o grau de intolerância, agressividade e falta de respeito de pessoas ligadas ao Partido dos Trabalhadores (PT). O parlamentar foi hostilizado por militantes e o voo acabou sendo atrasado em cerca de uma hora. “O Brasil está tomando o caminho do radicalismo”, disse.

“Esse incidente lamentável é a prova de que todo aquele vandalismo que ocorreu na última terça em Brasília foi promovido pelo PT e por organizações comandadas por eles. Uma baderna que está sendo patrocinada com o dinheiro do imposto sindical e com as sobras da roubalheira que o PT produziu no País”, destacou Benjamin.

Segundo o parlamentar, o ocorrido causou indignação dos demais passageiros. Ele contou que o voo atrasou mais de uma hora e só conseguiu decolar depois que os manifestantes fossem contidos. “O avião tinha mais de 100 passageiros prejudicados e só decolou graças à intervenção de agentes da Polícia Federal”, relatou.

De acordo com Benjamin, esta semana em Brasília foram carros de servidores incendiados, quebra-quebra dentro de ministérios e até a Catedral foi pichada. “Então tudo isso é lamentável porque nada é espontâneo. Tudo é organizado por grupos como esse que me agrediu no aeroporto. Isso não tem nada de demonstração que venha de uma vontade popular. Isso é organizado”, disse.

Benjamin chegou a questionar o fato de que pessoas de todo o Brasil estão indo para Brasília promover confusões. “Agora quem está pagando essas passagens? Isso aí merecia certamente uma investigação por parte da Polícia Federal e até uma CPI para investigar como é que os órgãos que são ligados ao PT estão promovendo esse tipo de vandalismo”, argumentou.

MaisPB