05 de dezembro de 2016 - 07:30

última hora
22/11/2016 às 12h29 • atualizado em 22/11/2016 às 12h31

Leis estaduais reforçam Educação Inclusiva na PB

nabor foto

No último dia 18 de novembro, foram publicadas no Diário Oficial do Estado duas leis de autoria do deputado estadual Nabor Wanderley (PMDB). A Lei de n° 10.777/2016 que institui a Semana Estadual para Sensibilização e Defesa da Educação Inclusiva de alunos com necessidades educacionais especiais que será realizado anualmente, na 2ª quinzena que antecede imediatamente o período letivo.

A Sensibilização e Defesa da Educação Inclusiva tem como objetivos defender os direitos dos alunos com necessidades educacionais especiais, assegurar a consolidação da educação inclusiva, combater a discriminação e a intolerância, promover o respeito à diversidade.

Durante o período dedicado à Sensibilização e Defesa da Educação Inclusiva de alunos com necessidades educacionais serão realizadas atividades e criados programas de combate à exclusão para que os alunos tenham direito e prevalência do respeito que lhes são necessários para o desenvolvimento de sua educação e da vida. Outros estados do Brasil, a exemplo do Rio de Janeiro e Minas Gerais adotaram essa ‘Semana’ para fortalecer o direito já garantido na Constituição Federal às pessoas especiais e que a população tenha mais consciência desse direito.

Outro Projeto de Lei também foi sancionado. A Lei n° 10.776/2016 dispõe sobre a suspensão de convênio do Poder Público do Estado da Paraíba com entidades de direito privado, por razões que especifica e dá outras providências.

Nabor Wanderley informou que, de acordo com a nova Lei, o Estado suspenderá convênios com entidades de direito privados que tiverem sido condenadas, com trânsito em julgado, por práticas discriminatórias contra a pessoa com necessidade especial e/ou obesidade, quando estas condições não configurarem impedimentos para o exercício de suas atividades laborativas.

“As discriminações são distintas, seja por restrição ou exclusão, por ação ou omissão, que tenha propósito ou efeito de prejudicar, impedir ou anular o reconhecimento ou o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais”, disse.

O deputado ainda reforçou que essas atitudes discriminatórias não podem fazer parte do cotidiano das pessoas dificultando ocupar um trabalho dentro das repartições públicas ou privadas.

MaisPB