05 de dezembro de 2016 - 15:38

última hora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

22 de novembro de 2016 - 11h50 • atualizado às 12h33

Modéstia à parte, Romero Rodrigues assume protagonismo da nova cena

romerofrenteafrente

Prefeito abandona coadjuvância; um recado de quem está pronto para estrelar papel principal

No mundo da televisão, até os figurantes que encenam com os famosos atores sonham um dia com o lugar do mocinho nas novelas. Não seria diferente esperar que na política alguém com o tamanho do prefeito reeleito de Campina Grande, Romero Rodrigues, uma hora chame para si os louros de sua trajetória e conquistas.

Reeleito com quase 70% dos votos dos campinenses, Romero tem motivos de sobra para assumir o que está muito claro que é seu: os méritos administrativos e políticos que o reconduziram à Prefeitura com sobra de votos e humilhante derrota aos seus adversários, um ex-prefeito bom de urna e um presidente da Assembleia e candidato do Governo.

Questionado por um telespectador no Frente a Frente, da TV Arapuan, o prefeito reconheceu o papel e a importância do seu grupo (Cunha Lima) na reeleição, mas deixou, por um minuto, a modéstia de lado e assumiu a responsabilidade e o protagonismo de uma votação que surpreendeu até os habitantes do seu apartamento no bairro do Mirante.

Romero repetiu por várias vezes que foi uma “vitória do trabalho”. Do seu trabalho, quis dizer, nas entrelinhas, citando um rosário de intervenções urbanas – de calçamento, à praças, policlínicas, casas e asfaltamento – e a maior obra da história de Campina Grande, o ousado Complexo Aluísio Campos.

Mais leve do que seu peso, Rodrigues sorriu de canto a canto quando questionado sobre 2018, ano em que, prematuramente, vem sendo espontaneamente lembrado como opção concreta e viável para disputar o Governo do Estado. Maneiro, disse apenas que será um colaborador do PSDB. Nem disse “sim”e nem muito menos matou o assunto com um “não”.

Poderia ter imediatamente lembrado dos nomes do senador Cássio Cunha Lima (PSDB) e do prefeito Luciano Cartaxo (PSD), como mandaria o bom figurino. Mas, convencido de que tem luz própria para estar no centro do palco, deixou o holofote sobre sua cabeça. Postura de quem está pronto para entrar em cena no papel principal.

Plateia…
Na saída da TV Arapuan, por volta das 23h, Romero foi surpreendido por um grupo de pessoenses que passava de bicicletas.

…Formada
Os ciclistas soltaram um bordão que soou como melodia aos ouvidos do prefeito campinense: “Tem que ser candidato a governador”.

multiplaGestão de imagem
Recém-nascida no mercado, a Múltipla Comunicação Integrada – das jornalistas Beth Torres e Marly Lúcio –  conseguiu, precocemente, um portfólio de gente grande: os deputados Wilson Filho (PTB), Benjamin Maranhão (SD) e Pedro Cunha Lima (PSDB), clientes da empresa, apareceram no topo dos mais bem avaliados da bancada federal paraibana, de acordo com levantamento do site nacional Políticos.org.

BRASAS
*Carimbo – Durval Ferreira (PP) foi cirúrgico ao comentar a chapa Marcos Vinicius/João Corujinha, fechada com a oposição; “Estou priorizando o diálogo com nossa bancada”.

*Pode, Arnaldo? – Pelo menos dois vereadores citados no café da manhã assinaram antes documento também se comprometendo com o voto em Durval.

*Por um lado – Aliados de Marcos Vinicius acham que, com o acordo, o tucano deu xeque-mate em Durval.

*Por outro – O grupo de Durval diz que o café da manhã foi um grande blefe e que na real Marcos só tem 11 assinaturas, podendo perder três delas.

*Fora do script – Articuladores do prefeito confessam que Luciano Cartaxo até sabia do movimento de Marcos, mas a exposição dos votos e o conteúdo do acordo não estavam combinados.

*Orelha em pé – Cartaxistas ficaram ressabiados de saber da participação dos deputados Hervázio Bezerra (PSB), Gervásio Filho (PSB) e Genival Matias (PT do B) nas tratativas do acordo em torno de Marcos e Corujinha.

*Pressão – Não será fácil para o presidente Adriano Galdino (PSB) ir até o final com a transferência da Assembleia. Voltaremos ao tema.

FALA CANDINHA!
Litigioso
De Dona Candinha sobre os acordos das últimas horas para a Mesa Diretora da Câmara de João Pessoa: “Essa chapa casada pode terminar em divórcio”.

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Por que o grupo que elegeu Paulo Maia presidente da OAB se dissolveu tão rapidamente feito sonrisal?

lhjgbu-1PINGO QUENTE
“Ainda tem muita coisa para acontecer”. Do vereador Pedro Coutinho (PHS-foto), prevendo muita água por debaixo da eleição da Mesa da Câmara de João Pessoa.

Outras Postagens