10 de dezembro de 2016 - 15:26

última hora
19/11/2016 às 08h36 • atualizado em 19/11/2016 às 18h20

OMS diz que zika não é mais emergência de saúde

Mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da zika, em laboratório de São Paulo (Foto: AP Photo/Andre Penner, File) Mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da zika, em laboratório de São Paulo (Foto: AP Photo/Andre Penner, File)

Em coletiva na tarde desta sexta-feira (18) em Genebra, na Suíça, a Organização Mundial da Saúde anunciou que o vírus da zika e seus transtornos neurológicos associados não são mais uma emergência sanitária internacional. No entanto, a comissão disse que deverá continuar com uma “ação endurecida” contra todas as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

Estavam presentes o presidente do Comitê de Emergências da OMS, David Heymann, e o diretor-executivo do Programa de Emergências de Saúde, Pete Salama, que informaram que, desde fevereiro, quando a emergência sanitária foi declarada, a organização tem dado uma “robusta reposta ao vírus” e que um novo grupo será escalado para continuar os trabalhos de combate nos países mais afetados.

“O vírus da zika segue um problema muito importante a longo prazo (…) mas não é mais uma emergência de saúde pública a nível mundial”, disse Heymann.

Com o fim da emergência para o controle do vírus da zika, essa nova equipe deverá criar um programa a longo prazo a ser instalado pela OMS. Neste ano, a epidemia afetou mais de 75 países e, no Brasil, gerou mais 200 mil casos reportados ao Ministério da Saúde.

“Não estamos diminuindo a importância do zika ao colocar isso como um programa de trabalho mais longo, estamos enviando a mensagem de que o zika está aqui para ficar”, disse Salama.

Emergência no Brasil

Mesmo com a mudança no status internacional, o Ministério da Saúde anunciou que o vírus da zika ainda é uma emergência nacional em saúde pública. Na manhã desta sexta, o ministro Ricardo Barros estabeleceu novos critérios para o diagnóstico da doença, assim como para a confirmação de microcefalia nos bebês.

A partir de agora, os profissionais deverão levar em consideração não apenas o perímetro da cabeça das crianças. Fatores como perda de visão, audição, comprometimento e deficiência de membros também serão levados em conta na avaliação dos médicos.

Todas essas novas regras serão divulgadas para profissionais de saúde, cuidadores e familiares de pacientes. Além das mudanças das normas sobre o vírus da zika, as novas diretrizes vêm com passos para que qualquer profissional da Atenção Básica também possa tratar crianças com alterações no desenvolvimento.

G1