11 de dezembro de 2016 - 01:09

última hora
19/11/2016 às 17h00 • atualizado em 20/11/2016 às 10h50

Prefeito emite nota contra MPF por denúncia de desvio de R$ 243 mil

jairo-harley

O prefeito do município de Serra Grande, Jairo Halley de Moura Cruz, emitiu, neste sábado (19), nota contra ação de improbidade ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) em Sousa (PB), acusando-o de integrar umsoposto braço operacional de uma organização criminosa investigada naOperação Andaime.

Além de Jairo, o MFP ajuizou açãocontra mais quatro pessoas e uma empresa, por supostas irregularidades na construção de uma praça em Serra Grande com R$ 243.750,00 provenientes do Ministério do Turismo.

Segundo a denúncia, o município obteve a verba ao firmar com o Ministério do Turismo, por intermédio da Caixa Econômica Federal, o Contrato de Repasse nº 47.800/2013. Para executar a obra, a prefeitura teria deflagrado licitação na modalidade Tomada de preços, homologada em 8 de dezembro de 2014 e vencida “formalmente” pela empresa “fantasma” TEC Nova – Construção Civil Ltda – ME (registrada em nome de Elaine da Silva Alexandre “Laninha” e administrada por Francisco Justino, delator do esquema).

No entanto, na nota o prefeito negou ter efetuado qualquer movimentação bancária em benefício da empresa contratada, citada pelo Ministério Público Federal, bem como, também não possui envolvimento com os vencedores da obra mencionada.

Leia a nota na íntegra:

Na qualidade de homem público em função do exercício do cargo de Prefeito de Serra Grande-PB, venho externar a minha completa indignação com a menção atribuída na Ação Civil Pública intentada pelo MPF na chamada “operação andaime”.

Jamais participei ou sequer soube de ilícito referente à construção da Praça Frei Damião, no Bairro Bela Vista, cuja empresa vencedora da licitação foi a do Sr. Justino.

A verdade prevalecerá no final.

A verdade é que os recursos federais que chegaram à conta bancária municipal do convênio lá se encontram até hoje, inclusive, sob os cuidados da Justiça de Itaporanga-PB através de minha determinação de ajuizamento de Ação de Consignação em Pagamento com o fim de rescindir o contrato com a empresa e poder contratar uma outra para finalização das obras, ou seja, nenhum centavo foi gasto até hoje com as obras, nenhum centavo foi repassado ao Sr. Justino ou a sua empresa ou a quem quer que seja. Enfim, se 100% do dinheiro da praça está no banco em conta remunerada como se poderia afirmar algo sobre desvio de dinheiro atribuível ao Prefeito, atribuível a mim Jairo?

Quero nesse momento tranquilizar a todos, meus familiares, amigos e conterrâneos serra-grandenses ao passo que reafirmo meu apego e fé em Deus, a minha história e meu compromisso com o povo de servir com honestidade e transparência em prol do bem comum.

MaisPB