11 de dezembro de 2016 - 01:10

última hora
19/11/2016 às 15h12 • atualizado em 19/11/2016 às 16h13

Concessionárias negam ‘cartel’ e veem “fome do Estado” por impostos

Concessionária

O sindicato das concessionárias de veículos na Paraíba enviou comunicado ao PortalMaisPB,  neste sábado (19), contestando acusação do governo do Estado de cartel e atribuindo a mudança no sistema Gravame no Detran-PB a “fome do Estado” por impostos.

Na correspondência, as concessionárias afirmam que em nenhum momento foram ouvidas pelo Estado ou Detran durante o processo de mudança.

“O Governo do Estado e o Detran deveriam valorizar e defender esta rede, mas não, ao contrário da mínima lógica, nos escantearam de uma problemática onde somos a mola mestra, fruto aparentemente de uma decisão intempestiva, e para justificar tamanha trapalhada, recebemos hoje pela fala de vossa excelência o governador o selo de cartelistas. Cartel dá cadeia no Brasil, amigo. E nós não podemos nem tão pouco devemos ser tratados desta maneira”, diz a nota.

Confira o comunicado abaixo:

“Existem cerca de 90 concessionárias operando na Paraíba. Com presença nas principais cidades do estado, de Cabedelo à Cajazeiras, de Monteiro à Mamanguape, passando por Guarabira. Hoje, esta mesma rede já vende menos do que 50% do que vendia dois anos atrás.

Somente por este fato, já estaríamos em grave situação de operação. No momento que o Detran tomou esta medida de mudança da empresa de inserção do gravame, sem consultar nem por um segundo esta mesma rede de concessionárias, responsável pela geração da venda, e portanto do financiamento, que é o agente causador do restante da cadeia, o Detran provocou uma espécie de avalanche que vem arrasando tudo é não há quem consiga parar.

Os prejuízos são incalculáveis. O desespero destes concessionários é enorme, os débitos se amontoam aos muitos milhões, e o risco de não termos em muitíssimo curto prazo uma rede de concessionárias que gera desenvolvimento, emprego e renda é real e efetivo. Isso não é um blêfe.

Não há espaço para um dia sequer sem uma solução. Para nós, pouco ou nada importa quem faz o gravame. Somos por origem e natureza de nossos negócios a favor da livre iniciativa, total e livremente. Esta briga é entre a fome do Estado que necessita da receita e a ganância dos bancos. Nós ficamos no meio, irresponsavelmente asfixiados por quem deveria nos preservar, o Estado.

O Governo do Estado e o Detran deveriam valorizar e defender esta rede, mas não, ao contrário da mínima lógica, nos escantearam de uma problemática onde somos a mola mestra, fruto aparentemente de uma decisão intempestiva, e para justificar tamanha trapalhada, recebemos hoje pela fala de vossa excelência o governador o selo de cartelistas. Cartel dá cadeia no Brasil, amigo. E nós não podemos nem tão pouco devemos ser tratados desta maneira.

Não é a Fenabrave ou o Sincodiv que se escondeu do diálogo. As vezes se faz necessário um passo atrás para ajustar as coisas, reconhecer equívocos e buscar um novo caminho, e somente o Detran pode fazer isso. Inclusive a assessoria dele precisa instruir melhor o governador para que ele não fale mais coisas sem sentido e muito longe da verdade, como as que ele disse sobre monopólio e cartelização, incluindo os revendedores.

Somos empresários que investiram muitos e muitos milhões em nossos negócios no Estado e geramos muitos impostos e empregos para a Paraíba, cerca de 6% do PIB daqui. Por favor tenha a consciência de que nós não defendemos nem A nem B e sim nossos negócios, que pelas mãos do Estado, está arrasado. Os prejuízos são incomensuráveis e sem dúvida, muitos sucumbirão se este grande equívoco persistir”.

MaisPB