08 de dezembro de 2016 - 17:00

última hora
18/10/2016 às 11h56

Europa teme chegada de extremistas ao continente se o EI perder Mossul

mossul-iraque_6qgwg8r

O comissário europeu de Segurança, Julian King, advertiu contra um fluxo de extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) na Europa se a organização perder o reduto de Mossul após a ofensiva das forças iraquianas, segundo a France Presse.

“A recuperação do reduto do EI no norte do Iraque, Mossul, pode fazer com que os combatentes do grupo EI preparados para combater retornem para a Europa. Mesmo um pequeno número [de extremistas] representa uma ameaça séria, diante da qual devemos estar preparados”, declarou o britânico em uma entrevista ao jornal alemão Die Welt.

As forças iraquianas iniciaram entre a noite de domingo (16) e a madrugada de segunda-feira (17) uma grande ofensiva para reconquistar a segunda maior cidade do Iraque, último grande reduto do grupo jihadista no país.

A batalha deve ser longa e difícil e deve durar várias semanas. A Organização das Nações Unidas (ONU) teme um desastre humanitário para 1,5 milhão de habitantes que ainda permanecem em Mossul.

O Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) estima que 100 mil iraquianos podem se deslocar para Síria e Turquia para fugir do ataque militar do governo do Iraque contra o Estado Islâmico.

Forças do governo do Iraque, com apoio aéreo e terrestre da coalizão liderada pelos Estados Unidos, iniciaram uma ofensiva entre a noite de domingo (16) a esta segunda  para expulsar o Estado Islâmico da cidade de Mossul da cidade que é o último grande reduto dos militantes no país.

Reunião
França e Iraque organizarão na próxima quinta-feira, em Paris, uma reunião ministerial com cerca de 20 países para preparar o futuro político de Mossul depois da ofensiva, anunciou nesta terça-feira o chefe da diplomacia francesa, Jean Marc Ayrault.

Ele disse ainda que o Irã, país muito influente no conflito iraquiano, não foi convidado a participar na ofensiva.

Ofensiva estratégica
Foi a partir de Mossul, que é o líder Abu Bakr al-Baghdadi declarou um califado, um estado regido de acordo com a lei islâmica, no território controlado pelo grupo no Iraque e na Síria.

Mossul caiu com relativa facilidade sob controle dos extremistas em junho de 2014, em parte pela profunda desconfiança da população local a respeito das forças de segurança iraquianas, dominadas pelos xiitas. O Estado Islâmico, também conhecido como Daesh ou ISIS, foi criado a partir de radicais do braço iraquiano da Al-Qaeda.

A região de Mossul, no norte do país, é rica em poços de petróleo e a venda do produto se tornou uma importante fonte de rendas para o grupo terrorista. A cidade também fica perto da fronteira com a Turquia, uma posição estratégica para a dinâmica de comércio local. Os turcos são acusados de comprar petróleo dos jihadistas, o que eles negam veementemente.

Além da questão simbólica, a perda de Mossul contribuirá para enfraquecer ainda mais os jihadistas economicamente.

G1