João Pessoa, 29 de março de 2017 | 23ºC / 29ºC 05:53 0.9 | 12:04 1.9 | 18:36 0.8 $ Dólar R$ 3,08 - € Euro R$ 3,34

ÚltimaHora

José Gonzaga Sobrinho, mais conhecido como Deca do Atacadão é um empresário e político brasileiro, atualmente é senador da República e filiado ao PSDB.
Foi eleito em 2010, ao lado senador Cássio Cunha Lima (PSDB) como primeiro-suplente.
Em setembro de 2016, após o pedido de licença do titular, o senador Deca tomou posse no Senado Federal.

Vaquejadas: podemos ter uma nova direção?

Comentários:
14/10/2016 às 09h09 • atualizado em 14/10/2016 às 09h46
A- A+

Vaquejadas: podemos marchar em uma nova direção?

Eu quarqué dia Vou-me embora pro sertão

Pois saudade

Não me deixa sossegar

Chegando lá

Visto logo meu gibão

Selo o cavalo

E vou pro mato vaquejar- Luiz Gonzaga, Vida de Vaqueiro
Os vaqueiros trotam no asfalto do Brasil. Ostentam, de suas montarias, uma mistura de surpresa e indignação com a proibição da vaquejada, essa manifestação secular da cultura regional nordestina; valor imaterial já incorporado ao patrimônio cultural do sertanejo.

Caímos do cavalo – se não literalmente, certamente de fato.

E não é para menos.

Não vou, aqui, descer ao mérito legal dessa proibição. É preciso, porém, destacar o significado da vaquejada para o povo nordestino.

Sua prática remonta ao nosso histórico pecuário de pastoreio aberto. Trocando em miúdos, foi tangendo ou reunindo seu gado que o homem do campo se transformou em vaqueiro. E desse destino – geração pós geração – jamais se aparta.

Mais do que significado cultural, a vaquejada tem importância econômica no Nordeste.

Estamos falando da geração de mais de 600 mil empregos diretos e indiretos e do fomento e circulação de renda superior a 800 milhões anuais.

Não se trata de pouca coisa.

Precisamos, pois, separar o joio do trigo. Não se pode colocar as vaquejadas no patamar dos maus tratos registrados em rinhas de galos e farras de boi, por exemplo.

Diferente dessas duas modalidades – com justeza proibidas -, as vaquejadas não são palcos de torturas ou mortes de animais. Muito pelo contrário: o animal é admirado e valorizado pela saúde e vigor.

Devemos levar em consideração, ainda, o amplo esforço que tem sido empreendido no sentido de reforçar as medidas de segurança – tanto para os cavaleiros quanto para os animais.

As regras estão mais rígidas. E o rabo, a parte que é o xis da questão neste conflito, ganhou cuidados especiais com a adoção do protetor de cauda (o chamado rabo artificial).

Como se vê, os avanços estão em curso. E devem continuar marchando em direção não da proibição, mas da regulamentação dessa festividade esportiva tão nossa, tão nordestina.

Esta será minha luta enquanto senador, na defesa de tradições e riquezas que nos traduzem enquanto povo forjado na imensidão dos sertões.

Leia Também

Colunas

Whatsapp(83) 99346-5236

  • Memorial na Ponte de Westminster
  • Gilberto Gil e Raimundo Asfora, em Campina Grande
  • Pôr do sol em Marizópolis

Pôr do sol em Marizópolis

Enviado por
Ivan Alves

mais lidas