21 de janeiro de 2017 - 04:31

última hora
09/10/2016 às 09h33

Vasto cardápio de pornô on-line pode dificultar relações na vida real

Barata, ao alcance da mão e para todos os gostos. A pornografia na era digital faz a alegria de muitos, mas cada vez mais vem criando problemas para jovens e adultos.

Especialistas em sexualidade apontam um aumento no número de viciados em conteúdo pornô e na masturbação devido ao acesso fácil pela internet e à privacidade que o celular e o tablet proporcionam.

Os jovens são os mais suscetíveis a desenvolver dependência e já estão sendo chamados de autossexuais –pessoas para quem o prazer com o sexo solitário é maior do que o proporcionado pelo método, digamos, tradicional.

“Eles começam a atividade sexual sem parceria, na masturbação, em frente a um vídeo no qual escolhem tipo físico e idade de todas as variedades imagináveis. Isso é muito sedutor”, explica Carmita Abdo, coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade da USP.

“Os meninos aprendem muito na internet, o que não é didático, porque são corpos e posições irreais, atividades sexuais mais agressivas que a média. Eles correm o risco de achar que é o padrão”, diz o psiquiatra Alexandre Saadeh, professor da PUC-SP e do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas.

Parte deles enfrenta perda do desejo sexual e disfunções, como falta de ereção ou ejaculação, e muitos têm uma visão distorcida sobre o próprio corpo ou desempenho sexual. Isolamento e insatisfação nos relacionamentos também são relatados nos consultórios.

“A pornografia veio substituir a prática sexual com outra pessoa, porque mesmo uma garota de programa tem um custo, e o encontro não pode ser a qualquer hora”, diz Carmita.

Quem é mais inibido continua trocando a vida sexual pelo pornô, até que ela começa e os problemas sexuais aparecem. Acostumado a um ritmo e a uma sequência na masturbação, o jovem não consegue repetir o mesmo estímulo no sexo a dois. Resultado: não tem ereção ou não ejacula, interrompendo a relação antes do final.

DEPENDÊNCIA

O norte-americano Alexander Rhodes, 26, ex-analista de dados do Google, se tornou o porta-voz dos dependentes de pornografia com o site NoFap, criado para ajudar pessoas que desejam largar o vício.

Sua história mostra como o problema pode começar cedo. Por volta dos 11 anos, ele clicou em um banner e caiu em um site de conteúdo adulto. Não parou mais. Rhodes contou, em entrevista ao “The New York Times”, em julho, que chegava a se masturbar até 14 vezes diante da tela por dia na época da faculdade.

Com a primeira namorada, só conseguia manter a ereção se fantasiasse com pornografia. Em 2011, ao buscar ajuda num fórum de discussão, percebeu que não estava sozinho, mas só conseguiu largar o pornô depois de outro relacionamento fracassado.

“Acho que eu dependia da pornografia como um tipo de muleta emocional. Se algo ruim acontecesse, ela estava sempre lá”, disse ao jornal.

No site, homens dividem suas experiências e buscam apoio uns nos outros. Contam como se sentem depois de uma recaída (“Não tenho ânimo para nada, sinto-me vazio. Me viciei de novo e sinto que é impossível parar”) e comemoram suas conquistas (“Minha vizinha acaba de me convidar para sair. O NoFap funciona mesmo!”).

EDUCAÇÃO

A facilidade de acesso à pornografia e o tabu que ainda envolve a sexualidade está transformando o pornô na base da educação sexual dos jovens de hoje, segundo os especialistas, com uma série de efeitos indesejados.

De um lado, as famílias delegam a tarefa à escola, que aborda o tema quando as crianças já tiveram acesso à pornografia ou mesmo iniciaram a vida sexual. Deixar para conversar com os filhos na adolescência, diz Saadeh, é um erro. “Tem que começar a acompanhar desde criança, saber quem é o filho, discutir o tema”, orienta.

Na fase seguinte da vida também há problemas. Os jovens temem parecer inexperientes e não corresponder às expectativas. “Quando existe vínculo afetivo entre os parceiros é mais tranquilo, mas é cada vez mais comum o sexo sem intimidade”, diz Carmita.

O proprietário da produtora pornô Brasileirinhas, Clayton Nunes, vê o vicio em pornografia como uma desculpa para os homens que perderam o interesse sexual pela mulher. “Se não faz sexo, ele acaba procurando pornografia. Essa pessoa precisa procurar um terapeuta sexual, conversar com a parceira ou mesmo se separar”, diz.

Segundo ele, a pornografia pode fazer parte de uma vida saudável se “consumida com moderação” e cabe aos pais controlar o acesso dos filhos para evitar excessos.

Apesar de ter aumentando nos consultórios a procura por ajuda para problemas sexuais ligados à pornografia, as pesquisas sobre a relação entre as duas coisas não são conclusivas. A maioria avalia homens que buscavam tratamento para o problema, o que pode levar a resultados enviesados, ou envolvem poucos participantes.

Publicado no periódico “Sexual Medicine” no ano passado, um estudo com 280 homens sem queixas sobre a vida sexual não encontrou relação direta entre consumo de pornô e disfunção erétil.

Outra pesquisa recente, feita por cientistas da Universidade de Oklahoma (EUA), sugeriu que a pornografia aumenta o risco de divórcio, principalmente entre os jovens, que tendem a assistir com mais frequência e têm casamentos menos estáveis.

Saadeh afirma, no entanto, que não é possível fazer uma relação direta entre o consumo de pornô e o divórcio. “O acesso à pornografia pode ser um sintoma de que algo na relação sexual desse casal não estava satisfatório antes”, diz.

É importante ressaltar que não são todos os jovens conectados que correm risco de dependência. “Há aqueles que assistem hoje, se masturbam e não voltam amanhã”, diz Carmita. Entre os sinais de alerta estão a angústia em relação ao uso e a restrição da capacidade de interação. “Se o indivíduo não se incomoda, paciência”, diz.

Para Saadeh, nos casos em que a situação sai do controle uma única conversa com um especialista pode ser suficiente. “Sexo é para ser uma boa experiência. Se não for, ou tem algo diferente em mim ou preciso aprender alguma coisa.”

Folha de São Paulo

Mais Lidas