João Pessoa, 29 de maio de 2017 | --ºC / --ºC 00:36 - 0.3 | 06:56 - 2.5 | 13:11 - 0.2 | 19:34 - 2.3 Dólar 3,26 - Euro 3,64

ÚltimaHora
FURACÃO

Matthew atravessa costa da Geórgia e avança em direção à Carolina do Sul

Comentários:
publicado em 08/10/2016 às 07h40
A- A+

O furacão Matthew, que caiu para a categoria 2, avança em direção a Carolina do Sul, nos Estados Unidos, após atravessar a costa do estado da Geórgia, onde causou inundações e cortes de energia elétrica, além de fortes ventos, segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês).

Em seu último boletim, divulgado às 2h (horário local), o NHC informou que Matthew se deslocava a 75 km/h ao sul de Hilton Head e a 155 km/h ao sul-sudoeste de Charleston, ambos municípios na Carolina do Sul.

O ciclone se desloca para o norte a uma velocidade de 19 km/h, com ventos máximos constantes de até 165 km/h. O NHC afirma que o furacão seguirá para o norte, em direção à costa durante a manhã deste sábado (7), depois virará para o norte-nordeste e posteriormente para o nordeste durante a tarde.

O “olho” do Matthew “continuará se movimentando sobre a costa da Carolina do Sul durante a manhã e o litoral do sul da Carolina do Norte à noite”, afirmou o NHC.

Geórgia e Flórida
Em sua passagem pela Geórgia, o furacão Matthew deixou sem energia elétrica mais de 210 mil pessoas, segundo a companhia George Power, na área de Savannah – uma das mais afetadas pelos ventos e tempestades ocasionadas pelo furacão.

Em Savannah, a maré tinha alcançado o segundo nível mais alto dos últimos 80 anos, de acordo com dados do Serviço Nacional de Meteorologia.

A direção atual de Matthew pode fazer de Savannah, no limite da Geórgia com a Carolina do Sul, a cidade mais afetada nos EUA devido à passagem do furacão, que até agora contornou a costa do sul da Flórida – estado em que 1,1 milhão de casas se ficaram sem luz.

Charleston, na Carolina do Sul, também sofre com inundações.

Mortes no Haiti
No Haiti, a passagem de Matthew deixou mais de 800 mortos, tornando-se no pior desastre natural no país desde o terremoto de 2010, que matou 300 mil pessoas.

G1

Leia Também

error: Conteúdo protegido!