João Pessoa, 21 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
avaliação

Pedro considera escolha de grade curricular por aluno avanço na Reforma

Comentários:
publicado em 05/10/2016 às 10h46
atualizado em 05/10/2016 às 10h49
Pedro Cunha Lima, do PSDB

O deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) destacou a flexibilidade, com a possibilidade do aluno escolher a sua grade curricular, como o principal conceito da reforma do ensino médio, que tramita na Câmara Federal. O parlamentar defendeu esse quesito durante a audiência pública realizada na tarde desta terça-feira (4) para discutir o assunto.

“A gente vê o mundo inteiro adotando o conceito da flexibilidade, da distribuição de escolha de projeto de vida ao aluno. Se a gente precisa tornar o ensino médio, mais atrativo não há como dispensar esse ingrediente que é o da capacidade de escolha que o aluno tem. Vários debates se sucederão, teremos um longo percurso pela frente, mas já deixo aqui o meu aplauso pelo debate e por esse conceito da flexibilidade que a gente passa a garantir”, defendeu.

Pedro reconheceu que o formato escolhido para levar a reforma ao Congresso através de Medida Provisória, pode ter gerado controvérsias, mas admitiu que isso não diminui a iniciativa. Para ele, a relevância e a urgência em se discutir o tema, podem justificar o formato escolhido pelo Governo.

“Eu prefiro me espantar, me surpreender e ter arrepio com o que nosso ensino médio enfrenta hoje. Reconheço e admito as críticas pela reforma chegar via Medida Provisória, mas se não existe relevância na Educação eu pergunto o que é relevante? E se não existe urgência, diante do diagnóstico do nosso ensino médio, até quando vamos esperar para dar urgência a um tema tão importante? Eu prefiro me ater ao conteúdo”, frisou .

Reforma – A proposta de reforma do ensino médio foi enviada pelo Governo Temer ao Congresso, em 23 de setembro, na forma de uma medida provisória (MP 746/16). Os deputados e senadores apresentaram 568 emendas para tentar aperfeiçoar a medida provisória.

A MP amplia gradualmente a carga horária para 1.400 horas; prevê português, matemática e inglês obrigatoriamente nos três anos do ensino médio; e adota currículo composto pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC), com possibilidade de ênfases em linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional.

MaisPB

Leia Também