João Pessoa, 16 de dezembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
INDONÉSIA

‘Ele não consegue aceitar’, diz defesa de brasileiro condenado à morte

Comentários:
publicado em 16/01/2015 às 11h39

O advogado do brasileiro Marco Archer Cardoso, condenado à pena de morte por tráfico de drogas na Indonésia, disse nesta sexta-feira (16) que seu cliente está muito abalado e não consegue aceitar que será executado. "Ele chora muito", disse Utomo Karim. A execução marcada para amanhã foi adiada para o próximo domingo.

Marco Archer é instrutor de voo livre e foi preso ao tentar entrar na Indonésia, em 2004, com 13 quilos de cocaína escondidos nos tubos de uma asa delta. A droga foi descoberta pelo raio-x, no Aeroporto Internacional de Jacarta. O brasileiro conseguiu fugir do aeroporto, mas foi preso duas semanas depois. A Indonésia pune com pena de morte o tráfico de drogas.

Karim afirmou que Marco está em isolamento e sendo supervisionado por psiquiatras. Segundo o advogado, ele deve se encontrar com uma tia que está a caminho de Jacarta antes de domingo, data prevista de sua execução.

O assessor especial para assuntos internacionais do Brasil, Marco Aurélio Garcia, disse nesta sexta que Dilma conversou com o presidente indonésio, Joko Widodo, que não teve "sensibilidade" para o pedido da presidente.

Além do brasileiro, há entre os condenados um indonésio, um holandês, dois nigerianos e um vietnamita. Apesar de a Indonésia não ter realizado nenhuma execução durante o ano de 2014, está previsto para este ano o fuzilamento de 20 prisioneiros.

As leis da Indonésia contra crimes relacionados a drogas estão entre as mais rígidas do mundo, e contam com o apoio da população. "Com isso (as execuções), mandamos uma mensagem clara para os membros dos cartéis do narcotráfico. Não há clemência para os traficantes", relatou à imprensa local Muhammad Prasetyo, procurador-geral da Indonésia.

De acordo com jornais locais, as autoridades do país afirmam que já foram preparados “o esquadrão de tiro, um clérigo e médicos”, e que as execuções ocorrerão simultaneamente. A Procuradoria explica ainda que os condenados são avisados da execução com três dias de antecedência para que possam se preparar mentalmente e para que façam seus últimos pedidos.

Se as sentenças forem cumpridas, serão as primeiras execuções do mandato de Widodo, que chegou ao Executivo em outubro do ano passado.

 

G1

Leia Também