João Pessoa, 20 de fevereiro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
SEM IDENTIFICAÇÃO

Câmara de Vereadores de São Paulo quer conter entrada de moradores de rua

Comentários:
publicado em 31/05/2016 às 17h53

A Mesa Diretora da Câmara Municipal de São Paulo discutiu neste mês a ideia de apresentar um estudo para instalar na portaria um sistema de identificação de visitantes, que atualmente podem ingressar no prédio sem apresentar nenhuma identificação. A preocupação é com os moradores de rua, que usam as pias dos banheiros da Câmara Municipal para tomar banho e fazer higiene pessoal.

“O que a gente está querendo é que volte a ser tomada uma providência em relação à identificação, por questão se segurança. Queria colocar o assunto em discussão para essa Mesa propor que seja feito o mais rapidamente possível um estudo para colocação na entrada dessa casa de portas com detector de metais e qua também que os visitantes sejam identificados”, disse o vereador Adolfo Quintas.

“Qualquer lugar que eu vou, departamento público, eu sou obrigado a me identificar. Aqui no passado tinha identificação, não sei quem tirou. Não precisa ser uma ficha cadastral do cara, mas no mínimo uma identificação do RG. Porque a insegurança que traz aqui tanto para os vereadores quanto para os funcionários e usuarios da casa é constante”, completou.

Um funcionário da Câmara afirmou que não existe detector de metais. Com relação ao controle de entrada, já foi feito um estudo no ano passado e o ato elaborado, mas a mesa anterior não deliberou para colocar a medida em prática.

Primeiro secretário da Mesa Diretora,  responsável pela gestão da Casa,  Quintas disse nesta terça-feira que o  assunto deve voltar à pauta na próxima semana. “Estão fazendo o estudo”, afirmou.

“Nada contra ninguém entrar aqui. O prédio é público, tem mais é que entrar. Em todo equipamento público a pessoa se identifica, no mínimo  tem que dar o número de RG. Agora,  aqui,  os caras vem da rua  tomar banho dentro doa banheiros publicos. Eles invadem os locais. Então é o mínimo de precaução para o bom andamento da Câmara.”

G1

Leia Também