João Pessoa, 24 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
CONTENÇÃO DE GASTOS

Sartori volta atrás e anuncia que abre mão de reajuste

Comentários:
publicado em 19/01/2015 às 15h17

O governador José Ivo Sartori (PMDB) anunciou na manhã desta segunda-feira (19) que abrirá mão do reajuste do próprio salário, publicado no Diário Oficial do estado na última sexta-feira (16). Junto a Sartori, o vice José Paulo Cairoli (PSD) também declarou que não terá aumento salarial. Com a aprovação do reajuste, o salário do governador passaria de R$ 17.347,14 para R$ 25.322,25, enquanto o do vice aumentaria de R$ 11.564,76 para R$ 18.991,69.

"Quem mais erra é quem não tem humildade de eventualmente voltar atrás. Sou uma pessoa como qualquer outra", afirmou Sartori.
O governador disse ainda ter ficado em dúvida sobre a decisão de sancionar a lei. A publicação no Diário Oficial dá ainda aumento para secretários, deputados estaduais, Ministério Público, TCE, Judiciário e Defensoria Pública.

"Poderia ter vetado, poderia ter silenciado e achei melhor e mais conveniente tomar uma atitude, daquilo que foi aprovado, sancionado, porque envolvia inclusive outros poderes no mesmo projeto de lei. Devo dizer que a opinião pública reagiu, e quero deixar bem claro para vocês todos que não tenho receio nunca de rever posições e muito menos de não tomar atitudes que reconheçam essa situação", declarou.

Em seguida, Sartori deve embarcar para Brasilia, onde tem uma reunião com o vice-presidente da República, Michel Temer. Segundo a assessoria de imprensa do Palácio Piratini, o encontro debaterá "assuntos do estado".

A medida havia ocorrido em meio a recém-anunciada suspensão de pagamento de fornecedores, concursos públicos e nomeações até julho. Ao assumir, Sartori ressaltou que a gestão será marcada por gastos públicos e medidas de austeridade. A interrupção do pagamento de dívidas com empresas que prestam serviços ao estado chegou a levar sindicatos a cogitar demissões de funcionários nos próximos dias.

Entenda

Após a aprovação por unanimidade pela Assembleia Legislativa, o aumento salarial de políticos foi enviado ao governador, que poderia vetar a medida, sancionar ou devolver a matéria ao parlamento. Na sexta (16), ao ser perguntado sobre a sanção, Sartori argumentou que preferiu não ser "oportunista".
"E essa decisão é apenas decorrente da relação nacional à decisão nacional: vale para o poder judiciário, para a Defensoria Pública, para a Assembleia Legislativa e para o Governo do Estado. Evidentemente, eu poderia ser alguém bastante oportunista e demagogo e tomar uma atitude particular para apenas salvar uma situação pessoal", disse o governador.

Pressionado por setores que exigem o pagamento de pisos constitucionais ainda não cumpridos pelo governo gaúcho, como o magistério, Sartori afirmou "lamentar" que outros segmentos não sejam melhor remunerados. "É uma pena que outros setores ganhem pouco. Se você compara com aqueles que ganham pouco que as vezes produzem com realismo e não conseguem o ganho que gostariam de ter e se fizesse a comparação evidentemente eu conseguiria entender toda a situação que existe para todos", declarou ao concluir a primeira entrevista sobre os reajuste.

Além de governador e vice-governador, o reajuste salarial foi sancionado para secretários, deputados estaduais, Ministério Público, Judiciário e Defensoria Pública. O maior reajuste, de 64,2%, é concedido aos secretários estaduais e seria concedido também ao vice-governador. Os vencimentos passam de R$ 11.564,76 para R$ 18.991,69. Para o governador, o aumento do subsídio seria de 45,9%, passando de R$ 17.347,14 para R$ 25.322,25. Já o salário dos deputados aumenta de 26,3%: de R$ 20.042,34 para R$ 25.322,25.

Os índices ficaram acima da inflação em relação ao reajuste anterior, concedido em 2008 para governador, vice e secretários e em 2010 para deputados. De lá para cá, a inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi 47,47% e 26,05%, respectivamente.

O projeto foi aprovado pela Assembleia Legislativa em dezembro, com 36 votos favoráveis e nenhum contrário. Na ocasião, toda a bancada do PMDB, partido do governador, incluindo a esposa dele, Maria Helena Sartori, deu suporte ao reajuste.

Os reajustes

Governador: de R$ 17.347,14 para R$ 25.322,25
Vice-governador: de R$ 11.564,76 para R$ 18.991,69
Secretários: de R$ 11.564,76 para R$ 18.991,69
Deputados: de R$ 20.042,34 para R$ 25.322,25

G1

Leia Também