João Pessoa, 18 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
FERIDO

Morre surfista Ricardo dos Santos, baleado em Santa Catarina

Comentários:
publicado em 20/01/2015 às 13h14

 Familiares comunicaram no início da tarde desta terça-feira (20) a morte do surfista catarinense Ricardos dos Santos, de 24 anos. Ele levou três tiros em frente a casa da família, na Guarda do Embaú, em Palhoça, Santa Catarina. O atleta passou por quatro cirurgias no Hospital Regional de São José, mas não reagiu aos procedimentos médicos e as hemorragias não cessaram.

Amigos e familiares permanecem na entrada do hospital desde a segunda-feira (19). Os suspeitos dos disparos, um policial militar e o irmão dele, estão detidos no quartel da Polícia Militar em Florianópolis.

Baleado na Guarda do Embaú

Ricardinho, especialista em ondas pesadas e tubulares e reconhecido internacionalmente por diversos títulos, foi baleado na manhã de segunda-feira na praia do Guarda do Embaú, em Palhoça. Conforme depoimento de testemunhas à Polícia Militar, ele pediu para que duas pessoas, um policial militar e um menor, que estariam consumindo drogas, saíssem da frente da casa dele. Houve discussão e ele foi atingido por três tiros entre o tórax e o abdômen.

Os familiares do esportista dizem que um dos homens teria estacionado o carro sobre um cano que faz parte de uma obra realizada na casa de Ricardo, o que teria motivado o fato.

Além do policial militar, o irmão dele, menor de idade, foi apreendido. O agente público estava de férias, segundo a PM informou em nota. Conforme o texto, ele responderá inquérito administrativo, além do que foi instaurado pela Polícia Civil. O soldado, que está na corporação desde julho de 2008, pertence ao 8º Batalhão de Joinville, no Norte do estado.

Duas versões

O policial afirmou em depoimento que atirou para se defender. "Ele alegou legítima defesa. Disse que a vítima teria tentado agredir e que ele teve que se defender", detalhou o delegado Marcelo Arruda, responsável pelo caso. O policial manteve a versão apresentada também pelo irmão, um menor que estava junto com ele no momento da discussão.

A Polícia Civil também coletou depoimentos do avô e de um tio do surfista Ricardo dos Santos e de dois policiais militares que atenderam a ocorrência. "São duas versões conflitantes. Uma parte alega que agiu em legítima defesa, que teria sido ameaçada antes, e a outra parte fala que não, que foram feitos os disparos injustificados, que não houve nenhum tipo de agressão anterior que motivassem esses disparos", afirma Marcelo Arruda.

Segundo o delegado, o irmão do policial foi liberado após o depoimento. "Ele não teve envolvimento e foi ouvido como testemunha. Ele alega que a vítima foi para cima deles com um facão e ele só reagiu em legítima defesa", detalha o delegado. No entanto, segundo Arruda, os policiais militares que atenderam a ocorrência não apreenderam nenhum facão no local dos disparos. Já a arma do policial, assim como o veículo dele, foi encaminhada para o Instituto Geral de Perícias.
"Com certeza vamos fazer reconstituição para ficar melhor esclarecido.

Não vai demorar, porque como se trata de pessoa presa, o prazo é bem exíguo", explica o delegado Arruda. "Não tem mais ninguém para ser ouvido. Agora temos que aguardar os laudos e a evolução do quadro hospitalar da vítima, para ver se também poderá ser ouvida", detalha. Ele acredita que o inquérito seja concluído em 10 dias.

G1

Leia Também