João Pessoa, 19 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Invadindo território

Comentários:
publicado em 06/09/2014 às 12h36

Na máxima da política, a melhor defesa é o ataque. A atração do apoio da médica Tatiana Medeiros é uma forma implícita do governador Ricardo Coutinho fustigar seus dois adversários, Vital do Rêgo e Cássio Cunha Lima, de uma só vez. E em pleno ‘terreiro’ campinense.

A adesão da candidata à deputada estadual pelo PMDB e ex-secretária de Saúde não tem potencial de impactar contingente de votos a favor do governador e candidato a reeleição, nem de incomodar as candidaturas nativas, mas cumpre seu papel simbólico de mostrar Ricardo em cena, vivo e operante.

A Cássio, o socialista manda dizer que está disposto a furar bloqueios e resistências em Campina Grande e a pontuar na cidade acima das expectativas do bunker cassista. É o jeito político de tentar expressar o que ele já vem dizendo em entrevistas e discursos: “Campina não tem dono”.

O gesto de ‘arrancar’ Tatiana dos Vital, grupo que ‘patrocinou’ sua ascensão na política, serve para aniquilar ainda mais as forças do projeto partidário improvisado na base do desejo e estratégia maior de evitar a migração do PMDB para os braços do governador, aliança (frustrada) que poderia vitaminar sua reeleição.

Ao impor essa baixa, Coutinho balança as estruturas dos herdeiros de Vital do Rêgo na sua principal base e berço político e abre um caminho para outros peemedebistas inclinados a tomar rumo diferente da candidatura própria, em luta para não ser levada pela onda avassaladora da polarização protagonizada por PSB e PSDB.

Dessa fase em diante, a simbologia das adesões exerce seu papel no imaginário coletivo, sobretudo, na faixa do eleitorado indeciso. Por isso, o governador sinaliza interesse em intensificar esses movimentos. Como Campina Grande é um capítulo à parte da disputa, vai certamente ganhar tratamento especial.

Crise de… – Entre os motivos que levaram a ex-candidata à prefeita aderir, está uma crise com o vereador Olímpio Oliveira (PMDB), também candidato a deputado estadual.

Ciúmes – Tatiana se queixava de tratamento diferenciado do grupo Vital ao concorrente e esperava mais atenções e reciprocidade pelo “sacrifício” feito na eleição municipal.

Rompimento – Logo após o anúncio de adesão de Tatiana ao governador, o ex-prefeito Veneziano Vital (PMDB), patrono da candidatura dela a prefeita em 2012, passou a informar a aliados e cabos eleitorais que a partir de agora sua dobradinha em Campina Grande se restringe a Olímpio Oliveira. Pra bom entendedor…

Contato… – Ladeado de sua vice Lígia Feliciano (PDT), de Tatiana, do ex-vereador Cassiano Pascoal (PSL) e do presidente local do PSB, Fábio Maia, Ricardo foi às ruas da Rainha.

…Popular – No shopping popular, visitou boxes e conversou com comerciantes, de quem ouviu queixas de baixa movimentação após o fechamento do Restaurante Popular.

Recuperação – Na abertura da série de entrevistas do Correio Debate (TV Correio), o senador Cássio Cunha Lima voltou a defender o seu lema: reconciliar o Estado com a sociedade.

Beligerância – “A Paraíba está cansada de um governo que briga com todo mundo, com os servidores, com as instituições, com as entidades da sociedade civil”, pontuou o candidato tucano.

Mistura – Mais votado da Capital, o vereador Raoni Mendes (PDT) contrariou seu partido, que indicou a vice na chapa do PSB. Votará cruzado em Cássio e em Zé Maranhão.

Orientação – Na nova edição da Cartilha das Eleições, a Arquidiocese da Paraíba recomenda: “Escolha quem não faz da política balcão de negócios, deixando-se corromper”.

Mira – A munição da campanha de Lucélio Cartaxo (PT) ao Senado estará direcionada nessa próxima semana para o agreste , predominantemente, e outras bandas do Estado.

Espalhando – A estratégia lucelista considera que já atingiu o nível desejado em João Pessoa, Zona da Mata e Litoral. A metodologia agora é massificar e interiorizar o nome do petista.

Pulada de cerca – “É fruto de um movimento muito natural”. Do dirigente do PMN, Bala Barbosa, sobre a adesão a Zé Maranhão, ignorando o candidato da coligação, Wilson Santiago (PTB).

Tamanho não é… – Documento. Vem de Tenório, minúscula cidade do Seridó, o melhor exemplo em transparência na Paraíba. É a primeira do ranking do TCE e bota grandes no chinelo.

PINGO QUENTE“Uma verdadeira apelação”. Do arcebispo dom Aldo Pagotto, censurando o recurso do beijo gay usado no guia eleitoral da Paraíba pelo PSOL.

*Coluna reproduzida do Jornal Correio da Paraíba.