João Pessoa, 24 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Omelete

Comentários:
publicado em 23/12/2014 às 09h44

A reestruturação apresentada pelo governador Ricardo Coutinho, ontem, conseguiu a proeza de atingir dos objetivos, o administrativo e o político. Uma combinação perfeita para melhorar a estrutura da máquina, mas sem queimar as possibilidades de contemplar, estrategicamente, os novos aliados.

Administrativamente falando, Ricardo promete redução de, ao menos, 10% dos cargos comissionados. Dos 14 mil disponíveis, anuncia utilização de apenas oito mil, um pequeno grande exército, convenhamos, mas bem menor do que o tamanho máximo usado com toda a carga de tinta pelos seus antecessores.

Ele até projeta economia considerável na folha, cerca de R$ 25 milhões, porém o maior mérito da readequação, num primeiro olhar, se dá na aglutinação de pastas afins e de órgãos, a exemplo de Emater, Emepa e Interpa, cujos papéis dialogam, embora carecessem de atuação de maior interação e melhores resultados.

Essas e outras mudanças, como a substituição da insossa e estéril Interiorização pela Secretaria da Agricultura Familiar, a fusão de Infraestrutura e Recursos Hídricos, a criação da Executiva da Segurança Alimentar, no lugar da FAC, permitem o aprimoramento e consolidação de políticas públicas elementares.

Na seara política, Ricardo também soube jogar no xadrez. Se cortou cargos, criou novas formas de contemplar aliados. Agricultura Familiar e Segurança Alimentar se encaixam bem no sabor da expectativa do PT e a Secretaria Especial de Brasília tem toda a pinta do DNA das indicações partidárias, além dos espaços abertos com as executivas da Educação e dos Esportes.

O governador conseguiu a fórmula mágica de acenar para a opinião pública com um discurso de austeridade e otimização dos serviços e a ginástica de garantir meios de não deixar aliados na estrada. Quebrou os ovos e fez um bom omelete.

Útil ao… – Na coletiva, o governador Ricardo fez questão de frisar que as mudanças não “buscam apenas economizar, racionalizar, mas sobretudo otimizar os serviços à população”.

Agradável – “Na política, a melhor coisa é um Estado que funcione e atenda às necessidades das pessoas”, emendou o socialista, completando o mesmo viés, em discurso no Palácio.

Leitura palaciana – Agilidade e eficiência. Eis as duas palavras escolhidas pelo secretário Luís Tôrres para sintetizar os objetivos da reestruturação administrativa deflagrada, ontem, pelo governador. Falou ainda em “governo novo” e num “olhar mais moderno”. Disse que o compromisso principal é com o “povo” e que os partidos “terão essa compreensão”.

Grupos  – De tudo o que disse na sua entrevista, o maior desafio do governador Ricardo é cumprir a promessa de “acabar com os feudos”. São muitas ilhas de disputa interna na gestão.

Simbologia – O atual secretário de Finanças, Tárcio Pessoa, sai maior no processo de readequação da estrutura do governo. Não por acaso, estava do lado direito do governador na coletiva.

Escalado – Atende pelo nome de Nelson Anacleto (PT), ex-vice-prefeito de Lagoa Seca, o futuro secretário de Agricultura Familiar. Ele é o indicado do deputado Frei Anastácio (PT).

Nua e… – No novo governo, Ricardo tem a facilidade de só dever espaços ao PT, que chegou rachado no primeiro turno, e ao PMDB, cujo mérito foi de apenas desempatar o jogo…

…Crua – …Diferente da dívida saldada nos três anos de gestão com Cássio, patrono de sua eleição em 2010 e com o qual, pelas circunstâncias, rateou uma banda do governo…

Tarde… – O telefone toca na casa do ex-prefeito Luciano Agra, ontem à tarde. Era do Hospital Oswaldo Cruz, de Recife, convocando-o urgente. Seria sua vez na fila do transplante.

…Demais – Em vida, Agra aguardava ansiosamente pelo chamado do transplante de fígado, sua esperança de cura. Ao sinal de ligação em casa, corria para atender, antes de todos.

Olheira – Passageiro do vôo das 2h da madrugada de João Pessoa/Brasília, Vital do Rêgo não dormiu antes de sua posse logo pela manhã no TCU. Sonhou acordado na solenidade.

Desafinação – Violonista nas horas vagas, o reitor Rangel Júnior mudou de tom quando ouviu o governador cobrar responsabilidade da gestão da UEPB ao liberar recursos do 13º.

Revista – Distante da Paraíba, o senador Raimundo Lyra, empossado ontem, tem o desafio de redescobrir o seu Estado natal e conhecer as necessidades e anseios Paraíba adentro.

PINGO QUENTE“Político sem mandato é político sem sangue, não tem força”. Do deputado eleito Jeová Campos (PSB), que viveu a experiência de ficar sem moral “até para servir cafezinho em repartição pública”.

*Reprodução do Correio da Paraíba.

Leia Também