João Pessoa, 22 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Ricardo e o conceito

Comentários:
publicado em 02/01/2015 às 20h53

Foi um discurso longo. Talvez justificado pela pedreira que enfrentou durante quatros anos. Desgastes, incompreensões e, em muitos momentos, rejeições. A elasticidade do pronunciamento e o risco de enfadar os expectadores, pode também ser relevada pela odisséia atravessada para garantir um segundo mandato.

Na sua fala para um auditório lotado, o governador reeleito e empossado da Paraíba, Ricardo Coutinho, não se absteve de fazer uma prestação de contas do seu primeiro governo. Expôs números, elencou obras e numa referência ao seu primeiro discurso de posse, adaptou para o presente: “O povo voltou ao poder”.

Mas nenhum dado se sobrepôs ao seu foco maior; ratificar, nesse novo instante de sua trajetória, um conceito diferenciado no olhar para a política e para a gestão por estas terras. Em cada parágrafo do seu texto, o socialista acentuou quebra de paradigmas e esforços para modificar posturas e costumes.

Frisou os embates com setores da sociedade. Não disse, mas se referiu aos opositores, à classe política e aos segmentos mais ‘poderosos’ e tradicionais da Paraíba. Entre uma e outra estatística, menções especiais aos mecanismos de participação popular, como o Orçamento Democrático, e o anúncio da criação do Conselho Estadual de Transparência Pública.

Imprimiu esse intento, certamente de propósito, no desfecho de sua mensagem aos paraibanos quando projetou seu maior legado para os sucessores o momento da conquista “da plena da democracia participativa” num Estado tão marcado pelas disparidades sociais e acostumado a servir a poucos grupos e famílias.

Foi esta a sinalização de Ricardo para seu segundo governo. A pretensão de combinar as obras de cal e pedra com rupturas e avanços que podem até ser invisíveis, mas perfeitamente sentidos e percebidos pelos os que sempre estiveram à margem.

*Reprodução do Correio da Paraíba.

Leia Também