João Pessoa, 18 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Palavra de ordem

Comentários:
publicado em 06/01/2015 às 21h20

Vez por outra, em entrevistas ou discursos, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, sempre recorre a uma palavra que vem merecendo um lugar especial no seu dicionário. Basta um olhar atento para perceber que o termo “cuidar”, sempre repetido, vem exercendo mais que uma expressão verbal na retórica do prefeito. Ele parece decidido a fazer do “cuidado” um norte de sua gestão.

Isso fica claro com o foco da Prefeitura na viabilização de creches nos bairros. Pelas contas do petista, já foram entregues seis e outras 11 estão em andamentos, afora as 27 anteriormente da responsabilidade do Estado e atualmente municipalizadas. Nenhuma ação remete mais a “cuidado” do que a atividade precípua da creche, um espaço cumpridor de dois papéis; educacional e social.

Na mesma linha, Cartaxo projeta para este ano cinco escolas de tempo integral, aliás, promessa de campanha. Como se sabe, na escola de tempo integral os alunos têm acesso a um segundo turno com atividades complementares, incluindo lazer, alimentação e cultura. A lógica de sua implementação e manutenção não é fácil e é um desafio a vencer. Esse viés do ‘cuidar’ também parece presente na decisão de inovar na climatização das salas de aula e de instalação de câmeras nas escolas.

A saúde é a principal agrura do cidadão. Luciano focou na construção de 11 novos PSF’s, trocando espaços improvisados e alugados por instalações minimamente dignas. Também descentraliza as UPA’s. Inaugurou no Valentina e levanta outra em Cruz das Armas, bairros estratégicos da cidade.

É possível perceber ainda essa tônica na parte da zeladoria da cidade, como iluminação pública e a política de jardinagem, por exemplo. Cartaxo deve ter consciência do impacto positivo das edificações de cal e pedra, obstinação da maioria, mas sinaliza que o investimento em gente também pode virar uma grande obra.

*Reprodução do Correio da Paraíba.

Leia Também