João Pessoa, 22 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Miudeza

Comentários:
publicado em 08/01/2015 às 17h38

Por trás da perita declaração do deputado Trócolli Júnior, para quem só tem sentido ao PMDB a participação no governo Ricardo II se o partido tiver um espaço com perfil para executar ações que identifiquem a legenda, está uma constatação: o PMDB não emplacou quadros frutos de deliberação e indicação enquanto sigla.

Os peemedebistas escolhidos chegarão ao Diário Oficial do Estado muito mais pelo prestígio pessoal dos patronos das indicações. Em que pese a competência, Flávio Romero, Nilda Gondim e Ana Cláudia Vital apareceram no segundo escalão do secretariado por uma deferência pessoal de Ricardo ao deputado Veneziano Vital.

Laplace Guedes (Turismo) e José Fernandes (Junta Comercial) são da cota pessoal do senador diplomado José Maranhão. Os demais cargos de menor porte que estão sendo preenchidos pelo governo também seguem a linha do aval personalíssimo de figuras do PMDB, não do apontamento do partido, como um todo.

Aliás, o PMDB – fiel da balança do segundo turno – não mereceu nenhum espaço realmente relevante na estrutura do novo secretariado. Nada nem de perto à altura do tamanho e importância da legenda. Por sinal, a raquítica presença na gestão do PSB serve bem para ilustrar o gradativo definhamento do PMDB, depois de 2010.

Quando rejeita publicamente a Secretaria de Esportes, Trócolli Júnior, do seu jeito, está alertando o PMDB para o perigo desse quadro. Uma legenda do porte do PMDB, ramificado em todo o Estado e dono de bancadas na Assembleia, Câmara e Senado, não pode se permitir a se contentar com a miudeza.

A perda da altivez e do orgulho próprio pode levar o partido, a curto prazo, à periferia da política paraibana. Se não cuidar, daqui a pouco estará nivelado ao bloco intermediário e dividirá a cena com DEM, PDT, PR, PP, entre outros. Na vida, quem foi ‘grande’ sabe como acostumar a se aceitar ‘menor’ gera uma tremenda crise de identidade. Na política, também.

*Reprodução do Correio da Paraíba.

Leia Também