João Pessoa, 17 de dezembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Super-Homem

Comentários:
publicado em 23/01/2015 às 09h54

Nem querendo é possível discordar de você, minha cara Lena Guimarães, quando, validando seu olhar antenado para fatos e dados, dizes que a super Secretaria do Ricardo II está nas mãos do ex-senador Efraim Morais e não do engenheiro João Azevedo, como todos inicialmente foram levados a crer.

Piloto da Secretaria de Governo, o líder dos democratas terá sob seu guarda-chuva um orçamento estimado em R$ 1,6 bilhão, o maior de todos. E olhe que concorre com áreas tradicionais e vitais como Saúde, Educação e Segurança Pública, essa o grande calo da gestão na atualidade.

Dona de extensa nomenclatura, a Secretaria de Infraestrutura, Recursos Hídricos, Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia, tem, na prática, um cobertor mais curto. Apesar de todas as suas atribuições e missões, a pasta de Azevedo conta com pouco mais de R$ 1 bilhão para executar seus projetos. Os maiores passam por ela.

Por enquanto, nem o governo mesmo sabe explicar com fundamentação apurada a razão do volumoso aporte para uma Secretaria de natureza política.

Superficialmente, argumenta-se seu papel estratégico na articulação com as demais e até a possibilidade de remanejamento de seus recursos, de acordo com os projetos e conveniências governamentais. Para isso, careceria de maior poder de fogo, prega-se.

O fato já chamou atenção da oposição. Ontem, o deputado Janduhy Carneiro questionou publicamente essas peculiaridades. O parlamentar lançou o comparativo da Secretaria de Governo com a Segurança Pública, cujo orçamento previsto total é de R$ 400 milhões para 2015, em que pese o tema ser uma prioridade, ao menos, na perspectiva do cidadão paraibano.

Mas, como foi dito, não é somente a Segurança. A Secretaria de Governo deixa no chinelo até a Educação, que constitucionalmente tem obrigação de investir 25% de todo o orçamento. Enquanto não houver caracterização e detalhamento das suas funções, os poderes e números da nova pasta continuarão sendo um enigma, dileta Lena.

*Reprodução do Correio da Paraíba

Leia Também