João Pessoa, 20 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Fátima Lopes

Comentários:
publicado em 24/01/2010 às 13h15

O acidente que matou a advogada Fátima Lopes pegou todos de surpresa. Serena e sempre acolhedora, ela não merecia este fim trágico.

Jurista reconhecida, advogada atuante e recentemente excelente revelação na Administração Pública, ao exercer com brilho a chefia da Defensoria Pública da Paraíba.

Lembro-me bem da atuação de Fátima no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba. Na época ainda estudante do curso de Comunicação Social e estagiário do TRE, acompanhei alguns momentos da sua passagem pela Justiça Eleitoral.

Viveu momentos de tribulação quando teve sua suspeição levantada naquela Corte. Agiu todo tempo com sobriedade e firmeza.

Aliás, foi ela a responsável pelo meu primeiro furo jornalístico, pouco tempo depois de minha contratação pela Rádio Correio Sat.

Com suspeição levantada no órgão, Fátima não concedia entrevista sobre o assunto. Até que numa sexta-feira de expediente pela manhã, vários jornalistas foram ao TRE tentar ouvi-la.

A então juíza simpaticamente se desculpou e avisou que não falaria sobre o assunto. Desceu pelo elevador.

Corri escadaria abaixo e a esperei no sub-solo do Tribunal, exatamente na garagem. Eu já estava com telefone no ouvido ao vivo pelo Correio Debate, quando Gutemberg Cardoso me anunciou.

Fui de encontro a Fátima Lopes, que já estava prestes a entrar no carro e fazia sinais negativos. Fiz a pergunta. Já dentro do veículo ela terminou respondendo a questionamentos de uma curta entrevista.

Finalmente ela falava pela primeira vez sobre o imbróglio. Ao chegar na redação, comemoração dos colegas.

O ano foi 2007. Manhã de domingo de 2010 redijo com pesar as primeiras informações sobre a tragédia que levou a advogada para outro plano.

Perde a advocacia paraibana. Luto para amigos, marido e as duas filhas também advogadas, que dividiam com ela causas no mesmo escritório.

Fátima deixa exemplos de simplicidade e equilíbrio. Que Deus a acolha e conforte a a família.
 

Leia Também