João Pessoa, 21 de fevereiro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Lena Guimarães

Comentários:
publicado em 11/04/2010 às 00h43

Iluminados e tarimbados analistas políticos da Paraíba já exauriram o assunto com maestria, cada qual com seu ponto de vista. Propositalmente me escalei para ser um dos últimos, até porque me considero um noviço e aprendiz na crônica política.

O assunto em questão é Lena Guimarães. Sinceramente, com raríssimas exceções, não consigo vislumbrar autoridade de algumas figuras que enchem o peito para invocar o espírito da liberdade de imprensa.

Muitos que hoje se arvoram de defensores fervorosos da multiplicidade de pensamentos, quando tiveram perto do poder foram os primeiros a tentar "enquadrar" e ameaçar colegas que não se dobravam ao puxa-saquismo.

Não desfruto do círculo íntimo da secretária de Comunicação do Estado, mas o pouco que a conheço é o suficiente para não embarcar na campanha acusatória deflagrada contra ela.

Para se sustentar, este espaço precisa de anúncios publicitários. O Governo do Estado é um dos clientes. Mesmo assim, nunca recebi um telefonema sequer de Lena Guimarães para pedir a retirada de qualquer artigo ou matéria desagradável à gestão que ela serve.

Aqui todos os colunistas se expressam livremente, sem recomendações da editoria ou ponderações. Tanto que o nosso mais polêmico articulista Wellington Farias escreveu sobre essa polêmica com a acidez que lhe é peculiar.

Nesse mesmo espaço, critiquei de forma contundente o episódio da interdição da Estação Ciência, analisei os acertos de Ricardo Coutinho e enveredei por tantos outros temas tipo "dedo na ferida" do PMDB.

Postura idêntica é adotada em assuntos que não interessam ao PSB e nem ao prefeito Ricardo Coutinho. Jornalismo se faz antes de tudo com equilíbrio.

Mesmo assim, nunca me senti patrulhado ou censurado por Lena Guimarães. E não acho que esse site é tão desimportante ao ponto de não fazer nem cócegas na gestão estadual ou municipal.

Talvez seja porque pela experiência acumulada, Lena saiba distinguir opinião e jornalismo de chantagem e engajamento.

Ela está no topo da carreira profissional porque trabalhou para isso, tem competência atestada pelos anos seguidos de liderança no Correio e porque é dona de incontestável sensibilidade jornalística.

Por trás do “cavalo de batalha” que alguns poucos estão tentando montar contra a mulher mais forte do Governo Maranhão, existem projetos futuros e interesses contrariados, muitos dos quais os personagens não conseguem disfarçar. Simplesmente porque nesse meio já tem gente convencida que o seu maior talento é servir, mandar recados e cumprir tarefas.
 

Leia Também