João Pessoa, 24 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

A situação de Efraim

Comentários:
publicado em 23/05/2010 às 12h00

O senador Efraim Morais vai precisar de muita habilidade e jogo de cintura para salvar sua pele nas eleições deste ano. Ele já sabe que está no alvo da imprensa nacional e pela experiência conhece os efeitos devastadores de uma exposição negativa permanente na mídia.

O grande desafio de Efraim é não ser o próximo Ney Suassuna, que em 2006 passou de um senador praticamente reeleito para um "leproso" cambaleando e suplicando pela cura nas urnas. Resultado: foi praticamente sepultado pelo eleitor.

O democrata certamente não esperava que as denúncias de 2009 ganhassem novos contornos em 2010 e logo às portas do mês de junho, período da convenção.

O caso deve ter seus desdobramentos durante todo o mês de junho e resquícios dentro da fase mais efervescente da campanha, de julho a outubro.

Se essa tendência for confirmada, a situação de Efraim ficará ainda mais delicada, mesmo que o senador consiga provar sua inocência, como vem pregando desde o surgimento do novo escândalo.

Todos lembram que nada ficou provado contra Ney Suassuna, mas a repercussão e frequente aparição das denúncias no cenário nacional foram suficientes para manchar e sujar o figurino do "trator", em pouco tempo reduzido a rastro de senador antes poderoso.

E o que Efraim pode fazer? Muito pouco. Se esforçar ao máximo para provar a inocência de forma convicente e arrancar dos aliados gestos de solidariedade, especialmente dos companheiros de chapa, Ricardo Coutinho (PSB) e Cássio Cunha Lima (PSDB).

Se o carma aumentar, não é de todo desprezível a possibilidade da retirada de Efraim do circuito ser cogitada pelos partidos da base oposicionista. Afinal, a pecha de corrupção pode colar na chapa inteira.

É aguardar pra ver.
 

Leia Também