João Pessoa, 21 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

O papel de Agra

Comentários:
publicado em 27/06/2010 às 17h09

Não foi por acaso que o então prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho (PSB), tirou da cartola Luciano Agra (PSB), peitou o PMDB, e impôs um vice de sua estrita confiança. O mago já sabia que iria para o maior desafio de sua vida pública (disputar o Governo) e por isso não poderia entregar a Prefeitura a um futuro adversário.

Ricardo deixou a gestão municipal e foca agora na batalha árdua de enfrentar um político habilidoso, com um currículo sem máculas e em vantagem pelo cargo e poder da máquina estadual.

Para ser competitivo numa peleja tão árida precisa ter como aliado a maior parte do eleitor de sua principal base política, João Pessoa. Foi a capital do Estado que projetou e é por ela que Ricardo precisa ser catapultado pela Paraíba afora.

Manter-se com boa aceitação e referendado pelo pessoense, fora do poder, não é um exercício fácil, apesar dos índices de aprovação que ostentava ao deixar o cargo.

Nesse quesito, o atual prefeito Luciano Agra (PSB) tem papel fundamental. Como aliado político histórico, Agra tem obrigação de manter o mesmo nível de gestão pública e carregar consigo idêntico conceito de gestor trabalhador, construído por Ricardo e assimilado pelo eleitorado da região metropolitana.

Portanto, Luciano tem em mãos uma tarefa hérculea se quiser ajudar de fato o amigo a sair com boa votação de João Pessoa. Com uma grande diferença: agora a gestão municipal divide os holofotes com o fogo centrado das ações e do marketing do Governo.

Mesmo discreto, Agra verá em breve que precisa circular para além das rodas de cabeças pensantes e intelectuais da cidade. Começa acertando quando se mistura com o povo pelo São João do Ponto de Cem Réis.

Aliás, embora tendo bagagem e tutano acadêmico, Luciano tem uma qualidade pessoal que lhe pode render bons frutos políticos. É simples, sem ser populista. E essa é uma postura que cativa o povo que vê em quem assim se comporta como "gente como a gente".

Precisa se fazer mais conhecido e difundir sua imagem por todas as classes sociais.