João Pessoa, 19 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração, presentemente exerce as funções de vice-presidente da APCA (Academia Paraibana de Ciência da Administração). Contato: diretorexecutivoaetc@yahoo.com.br

Pra que “mais”?

Comentários:
publicado em 14/08/2010 às 10h09
A- A+

Afirmei no artigo anterior que o próprio título “maispb”, deste portal, é instigador. Caracteriza a aspiração de todos os paraibanos por uma Paraíba mais desenvolvida. E em seu slogan está o encaixe desta idéia: “pra quem quer mais”.

É claro que esse advérbio mais não está restrito a aumento numérico ou quantitativo. Este mais mais está atrelado a qualidade, sobretudo qualidade de vida, cuja conquista marca o sentido de desenvolvimento.

Aliás, por mais que pareça redundante, é importante que se repita, principalmente aos gestores públicos, que crescimento econômico por si só não corresponde a desenvolvimento.

De pouco adianta o foguetório anunciante de que município “a” e/ou estado “b” economicamente cresceram “x%” acima da média nacional se esse crescimento está concentrado em tão pouca gente e/ou pouco lugar e não tenha se revertido em melhoramento no nível da educação, da saúde e da segurança prestadas a toda população!

Por isto, tem-se mais que pensar e fazer planejamento na Paraíba!

Aqui, na bela capital paraibana, não é raro ouvir-se e ver-se dizer que faz tempo que seu sistema viário continua praticamente o do passado. O que de mais novo tem corresponde às vias Oeste, José Américo de Almeida, Airton Senna e Tancredo Neves. (Faz tempo mesmo!).

Não se pode deixar de registrar a preocupação e ação da Prefeitura de João Pessoa, em tempo bem recente, com a ampliação da via Dom Pedro II e daquele trecho ao lado do campus da UFPB, assim como a efetivação das alças ligando a BR-230 à avenida José Américo de Almeida, uma obra bem simples – relativamente de pouca monta – mas bem criativa e de benefícios tão significativos quanto aplaudidos pela população.

Fui aluno de uma escola e de um tempo em que o planejamento “era o forte da Paraíba”. Nesse tempo muito aprendi com Francisco Cartaxo Rolim (então secretário da SEPLAN-PB no governo Ivan Bichara), com José de Oliveira Costa, Adalberto Barreto, Ignácio Tavares, Francisco Antonio Cavalcante, Geraldo Magela, Ronald Queiroz… (É recomendável parar esta lista de competentes técnicos aqui, porque, não só pela memória, mas, também, por falta de espaço, ficam outros nomes sem citação, tendo, porém, de justificar que um dos maiores, Juarez Farias – atual presidente da Academia Paraibana de Letras – antecedeu, no planejamento, a todos estes citados).

Que o planejamento volte a ter o prestígio político-administrativo que lhe é indispensável, por mais e real desenvolvimento da Paraíba!

Leia Também