João Pessoa, 22 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

O poder que encanta e desencanta

Comentários:
publicado em 30/11/2010 às 21h34

O Sertão do Estado não é só quente na temperatura natural. O fervor da região é transferido para a política, muito mais próxima da politicagem do que da essência da arte de fazer o bem comum.

Numa só tarde, dois fatos ilustram bem o clima dos bastidores em Sousa e Cajazeiras.

Na terra do Padre Rolim, Léo Abreu (PSB) lança uma carta aberta ao povo na qual insinua desistência da reeleição. Um texto um tanto obscuro sem explicar as reais razões para a suposto desinteresse em disputar novamente o cargo.

A notícia mexeu com a cabeça de aliados e até dos adversários. O que houve com o filho de Vituriano? Perdeu o encanto? Ou é uma estratégia política?

Ao mesmo tempo, Sousa, cidade vizinha, produz mais uma vez surpresa de última hora na eleição para presidência da Câmara.

O dinamismo da política local fez o vereador Cacá Gadelha (PMDB) rasgar documento onde assumia compromisso público de votar no colega de partido e bancada, Ananias Vieira, para presidente.

Cacá foi atraído pelo súbito desejo de comandar o Legislativo sousense. Esqueceu a palavra e a assinatura empenhada e virou a casaca para a bancada governista. Tem todo o direito de assim se portar. É uma escolha. Deve ter avaliado de forma acurada bônus e ônus.

Os fatos protagonizados nos dois importantes municípios paraibanos revelam quanto estamos distantes de uma política civilizada.

De um lado um prefeito parece jogar a toalha porque não suporta percorrer o labirinto muitas vezes tenebroso da perpetuação no poder.

Do outro, um vereador muda de posição repentinamente de olho exatamente para ficar ainda mais perto e por dentro da máquina.

Outro foco – Somente uma conversa de pé de ouvido muita firme para Ricardo Coutinho convencer Zenóbio Toscano a aceitar ser secretário do futuro Governo. O tucano tem dito por onde passa que voltará a ganhar dinheiro na construção civil.

Desejo – O deputado Branco Mendes (DEM) está de olho na primeira secretaria da Assembléia Legislativa. Quer suceder o colega de partido Lindolfo Pires no cargo. A preço de hoje, vota com Ricardo Marcelo.

Autofagia – É um exagero medíocre o que o PPS tenta fazer com Eliza Virgínia. Estão superdimensionando a atitude da vereadora na campanha. Um partido que já não tem tantos quadros, briga para perder umas de suas vozes mais destacadas.

Leia Também