João Pessoa, 19 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração, presentemente exerce as funções de vice-presidente da APCA (Academia Paraibana de Ciência da Administração). Contato: diretorexecutivoaetc@yahoo.com.br

Entre Aracaju e João Pessoa

Comentários:
publicado em 09/12/2010 às 14h01

Este final e início de semana estive estou em Aracaju. E é daqui que faço meus escritos e os envio ao Correio da Paraíba, focando o tema “Entre Aracaju e João Pessoa” para mais uma vez enaltecer a terra e a gente paraibanas, e, também, para chamar a atenção sobre o quanto temos de aprender uns com os outros!
E falando sobre nossa gente, todos assistimos na madrugada deste domingo, no programa “Altas Horas”, o enaltecimento paraibano através de Elba Ramalho, mostrando seu novo trabalho, já transformado em CD e DVD, “marco zero”, gravado em Recife e para cujo show levou outras presenças paraibanas como Flávio José, Chico César e Zé Ramalho. Vi o DVD e mais me aumentou o orgulho paraibana, tais o belíssimo show e as exaltações de Elba sobre seus conterrâneos, e, de minha parte, apenas lastimando que os apoios (governo do estado e prefeitura) e o lugar da gravação tenham sido pernambucanos. Por que não apoios e lugar paraibanos? Foi Elba quem não os pediu nem quis? Ou porque na PB não haveria a sensibilidade de que a projeção de seus artistas, se bem trabalhada do ponto de vista turístico-cultural, repercute em favor da terra e de seu povo? (São perguntas para reflexão).

Nesse gancho do show de Elba, acrescento uma outra pergunta: por que o estado e sua capital, juntos, não tentam viabilizar um grande show em praça pública, em João Pessoa, com nomes paraibanos como Elba, Zé, Chico, Flávio, Robertas (Arruda e Miranda) etc, com prévia negociação com uma rede de TV para veiculá-lo por todo o Brasil? A data desse show, óbvio, seria 5 de agosto, que deve ser comemorada não só como dia da fundação da capital paraibana, e, sim, da Paraíba!

E Aracaju, o que tem com tudo isto a que me referi?

– Primeiramente, permitam-me reproduzir, a seguir, o resumo do que o aracajuense “Jornal da Cidade” publica na coluna “Ancelmo Gois”, abaixo de uma grande foto de Mayanna Neiva: “O domingo é de Mayanna Neiva, a bonita atriz paraibana de 27 anos que brilha na novela Ti-ti-ti. Na vida real, a bela se divide entre Rio e São Paulo, onde participa do Grupo XIX, de teatro, e comanda a banda de Rock Evohé, da qual é vocalista. Mayanna ainda tem encontrado tempo para gravar o curta-metragem O Silêncio que Precede o Beijo”.

Em segundo lugar, diria que esta hoje bela, mais do que antes, Aracaju. é uma cidade que não se esquiva de aprender e aplicar o que outras cidades tenham de bom! Imaginem que aqui estou porque suas empresas de transporte coletivo, valendo-se da experiência do Prêmio AETC-JP de Jornalismo, realizam o 2º Prêmio SETRANSP de igual formato, de cuja solenidade sou convidado especial, após em 2009 ter mostrado para 80 jornalistas – e o SETRANSP – como realizávamos a premiação pessoense!
 

Leia Também