João Pessoa, 24 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

A histeria do PT e PMDB

Comentários:
publicado em 23/12/2010 às 13h25

Chega a ser cômica a reação dos presidentes estaduais do PT e do PMDB, Rodrigo Soares e Antônio Souza, respectivamente, em relação a participação confirmada de filiados de ambos os partids no Governo de Ricardo Coutinho (PSB).

Souza é mais radical. Ele se apressou em dizer que Iraê Lucena, escolhida para Secretaria das Mulheres, cometeu uma traição premeditada e anunciou a pena capital para os infiéis: expulsão.

Já Rodrigo Soares seguiu a mesma linha adotada desde quando recebeu o resultado desfavorável das urnas. O petista não aceita Walter Aguiar, nome confirmado para Casa Civil, no Governo do PSB.

É preciso mais ponderação dos dois dirigentes partidários. No caso do PMDB, a dissidência não é comportamento isolado de Iraê Lucena.

Um partido do tamanho do PMDB é natural que existam teses divergentes. O PMDB nacional é o maior exemplo do esfacelamento. o próprio José Maranhão votou em Lula em 2002, divergindo da decisão oficial do partido que indicou o vice de José Serra (PSDB).

No PT, o principal argumento da ala maranhista são as "companhias" de Ricardo Coutinho, que mantém aliança com PSDB e DEM. Se Rodrigo refletir, longe das arestas políticas, verá que o PT tem mais identificação com Ricardo de que mesmo com Maranhão.

Justiça – Já era esperada, mas a escolha de Nonato Bandeira para a secretaria de Comunicação do Estado é o reconhecimento do papel que o jornalista tem desempenhado em favor do projeto de Ricardo Coutinho. Discrição, foco e competência não faltam ao novo comandante da Secom.

Prêmio – A vereadora Raíssa Lacerda (DEM) não escondeu a satisfação de ter o pai entre os secretários escolhidos para o Novo Governo. Zé Lacerda (DEM) vai cuidar da articulação política.

Acordo – Em Sousa não se fala noutra coisa. O grupo Gadelha vai apelar para atrair João Estrela (PDT). É a equação para tirar o sono do prefeito Fábio Tyrone (PTB). Integrantes do clã já admitem o "galeguim" na cabeça de chapa.

Abaixo do esperado – Impressiona a imagem negativa do governo de Léo Abreu (PSB) em Cajazeiras. Até os vereadores aliados reclamam do rumo que o prefeito deu à gestão. Ninguém se entende. Carlos Antônio (DEM) agradece.