João Pessoa, 19 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Explicações

Comentários:
publicado em 19/01/2011 às 10h09

A propósito de questionamentos feitos neste espaço na última segunda-feira, com base em declaração do presidente do Conselho Estadual de Saúde (CES-PB), Antônio Eduardo Cunha, o ex-secretário de Saúde, José Maria de França, aciona a coluna para prestar esclarecimentos sobre a ausência de repasses de recursos orçamentários para o CES-PB, exatamente no período eleitoral passado.

Zé Maria reconhece dificuldades motivadas pela queda do FPE e por isso precisou priorizar em 2010 outras ações mais emergenciais. “A gestão nunca deixou de apoiar o órgão, inclusive, instalou-o numa sede própria, pois vivia à deriva dentro do prédio da SES. As críticas à saúde estão longe de terminar e entendemos que isso é positivo para a sociedade, até certo ponto”, frisou.

O ex-secretário admitiu a ocorrência de problemas de distribuição de medicamentos excepcionais no final da gestão maranhista, mas atribuiu a falha ao atraso de recursos do Governo Federal para compra dos remédios. “Lembramos que, em fevereiro de 2009, faltavam mais da metade dos medicamentos no estoque e conseguimos equilibrar isso, na nossa gestão. Quem quiser ter a prova disso é só fazer uma pesquisa nas páginas dos jornais e comparar o número de reclamações e denúncias da gestão anterior com as notícias envolvendo nossa gestão”, recordou França.

Zé Maria também se reportou a compra de 400 aparelhos televisores, que segundo ele representa parte da política de humanização implantada na rede hospitalar do Estado. “No relatório que chegou às minhas mãos, o valor médio da pesquisa de preço foi R$ 1.852,11, mas as três empresas que participaram do pregão 95/10 fizeram propostas bem abaixo e, após os lances, a empresa Organizações Lira ganhou a licitação com um valor de R$ 1.049,99”, pontuou o ex-auxiliar do Governo Maranhão III. Pelo relato didático de Zé Maria, a não remessa de recursos da ordem R$ 100 mil ao Conselho de Saúde, em plena eleição, foi apenas uma grande e infeliz coincidência.

CGC – O inquieto deputado Quinto de Santa Rita (PMDB) encerrou seu curto período de jejum verbal e reapareceu na Assembléia fazendo jus a sua fama de exímio criador de tiradas envenenadas. Questionado sobre as ameaças de expulsão do partido, Quinto tascou: “Não existe fidelidade partidária. Fidelidade só ao povo. Partido é só o CGC”.

Atraso fatal – A prefeita de Itabaiana, Dona Dida (PTB), atrasou o pagamento de um ex-assessor, que de tão irritado deu um murro no secretário de Finanças, Gilvan Herculano. O caso foi parar na delegacia.

Mala pronta – A executiva estadual do PT do B não esperou tempo ruim e já anunciou apoio ao governador Ricardo Coutinho. O diretório de Campina Grande se prepara para abandonar Veneziano.

Virada – O deputado Antônio Mineral (PSDB), aliado de Lindolfo Pires (DEM), aposta em virada de mesa na sucessão da Assembléia. Deve ter previdência pra não virar por cima dos próprios pés.

Empreendedor – O deputado interino João Viegas (PSDB) pretende investir tudo quanto receber da Câmara Federal no ramo imobiliário. Não quer jogar fora os frutos da brevíssima passagem por Brasília.

Troco – Do secretário de Cultura do PT, Lúcio André de Figueiredo, sobre as críticas de Júlio Rafael ao presidente Rodrigo Soares. “A fala raivosa se deve as sucessivas frustrações e derrotas dele no PT”.

Escusos – “Ele revela sua real face de desagregador. É um dos mentores do processo de dissidência”, acusou Lúcio, insinuando que Júlio desrespeita o partido em detrimento de interesses escusos.

Convocação – Sem barulho, Luciano Agra (PSB) vai ocupando os cargos da Prefeitura com aprovados em concurso público. Ontem, convocou 84 aprovados da Educação. Semana passada, foram 100 da Saúde.

Mandato – Pelo menos 39 deputados federais não trabalharão no Congresso em fevereiro. Eles ocuparão cargos federais ou secretarias estaduais. Na Paraíba, nenhum dos 12 foi chamado pra nada.

AACD – O ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB) pediu e o governador Ricardo Coutinho prometeu ontem viabilizar a instalação da AACD em Campina Grande. O Governo fará a doação do terreno.

Folia – O bloco Pirilampos de Manaíra quer levar mil foliões este ano à praça Alcides Carneiro. O fundador, advogado Everaldo Nóbrega (9981-5669), pode ser contactado para outras informações.

Na UTI – O ex-vereador de Santa Luzia, Anchieta Lima, informa que o estoque de alimentos do Hospital Regional do município está no limite. Até as refeições dos funcionários já foram suspensas.

Entre aspas – “Rômulo é bandeirinha e não juiz. Ele não apita nada nesta questão”. Revide do deputado Fabiano Lucena (PSDB) defendendo o tio Cícero e botando lenha na fogueira do PSDB.

Reprodução do Correio da Paraíba
 

Leia Também