João Pessoa, 14 de fevereiro de 2011 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Vai depender

Comentários:
publicado em 14/02/2011 às 10h20

É bem verdade que o então prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho, deflagrou um processo de mudanças conceituais e estruturais na Prefeitura mesmo enfrentando no começo resistência bélica da maioria dos vereadores que lhe faziam oposição, justamente por ter elegido a minoria dos integrantes da Casa de Napoleão Laureano.

Mas também é sabido que após cansar de apanhar, meses mais tarde a articulação do Governo identificou rapidamente a necessidade de reverter o placar e aumentar a bancada aliada. O então secretário de Finanças, Gervásio Maia, foi um dos artífices da virada do jogo na Câmara Municipal.

Mais cedo ou mais tarde operação similar será essencial na Assembléia Legislativa. O Governo, apesar de vender a imagem de crença no bom senso dos parlamentares na votação de matérias relevantes, se verá obrigado a tomar iniciativa ostensiva para atrair votos e garantir tranquilidade na apreciação dos projetos na Casa.

Hoje, o quadro oficial não é de causar medo aos governistas, mas também não permite descuidos e nem excesso de confiança. A Assembléia está completamente rachada. São 18 deputados declaradamente governistas. A outra metade se coloca na ala da Oposição ao Governo.

Dos 18 oposicionistas, uns quatro ou cinco podem abrir canal de conversações. São deputados com chances de votar aqui e acolá nas matérias do Governo. Os outros devem ser manter na Oposição, mesmo que Ricardo dê certo, por questões paroquiais em seus redutos ou, em outros casos, por conveniências partidárias e políticas.

Ainda é cedo para prever os futuros movimentos da articulação governamental e dos deputados no xadrez da Assembléia. Tudo dependerá muito dos resultados do Governo nos próximos meses. Se superar as adversidades do início da gestão e até o segundo semestre apresentar um esboço do salto prometido, Ricardo construirá as pontes das adesões. Se não vencer os percalços, encontrará muros no caminho.

O PT, as candidaturas e as divergências – O PT não consegue passar um mês sequer longe das querelas internas. Enquanto o presidente estadual da legenda, Rodrigo Soares, e outros petistas defendem tese de candidatura própria em João Pessoa, o vereador Jorge Camilo (PT) contraria o pensamento da cúpula e prega a manutenção da aliança com Luciano Agra (PSB).

Novo comunista – O ex-vereador mestre Fuba já está com a ficha de filiação praticamente abonada e se filiará nos próximos dias ao PC do B. Integrantes da direção da legenda comunista aprovaram o ingresso do músico, que já foi do PPS e PSB. Só falta a oficialização.

De mal com o servidor – O prefeito de Cajazeiras, Léo Abreu (PSB), não poderia viver pior fase administrativa. Em greve, os professores do município realizam protesto hoje em evento com a presença do gestor. Com salários atrasados, agentes de saúde ameaçam greve.

Objeto indesejado – Comentário no cariri. A Prefeitura de Livramento teria comprado um grande estoque de caixões para distribuir com os munícipes. Até agora, ninguém se candidatou ao benefício.

Obra emperrada – O advogado Cláudio Diniz, ex-secretário da Prefeitura de Sousa, na gestão Salomão Gadelha, questiona por que a reforma do Pronto Socorro Municipal se arrasta há quase um ano.

Se mexendo – A novata deputada Nilda Gondim (PMDB) começou a se movimentar na Câmara. Vai participar amanhã do Seminário “Mulheres na Política”, organizado pela bancada feminina.

Economia – Atento colecionador dos diários oficiais pesquisou muito, somou e chegou ao seguinte cálculo: até agora apenas dois sobrenomes Cunha Lima apareceram nas nomeações do Governo.

Interino – Enquanto o impasse em torno do deputado Manoel Ludgério (PDT) não termina, Diogo Batista continua na presidência interina da PBprev. É um que não tem pressa pelo desfecho.

Ganhando terreno – O mangue predomina no solo de Bayeux, mas tem se mostrado fértil às pretensões do prefeito de Santa Rita, Marcos Odilon. Nas enquetes de rádio, já polariza com Expedito Pereira.

Na moita – Pelo calendário eleitoral, os candidatos a prefeito de Itapororoca estão liberados para campanha, mas o clima na cidade está tão calmo que até os eleitores estão estranhando a apatia.

Campanha silenciosa – A propaganda eleitoral também está liberada, segundo o edital da Justiça. Ontem à tarde, o plantão do cartório não registrou qualquer reclamação. Os funcionários quase cochilaram.

Imagine se crescer – A Paraíba é a 18ª frota de carros do Brasil. Em 2010, tínhamos exatos 698.556 veículos em circulação. Essa “pequena” frota já gera grandes problemas no trânsito em João Pessoa.

Compatibilidade – O advogado José Mariz não vê qualquer óbice em acumular a presidência da OAB, Campina Grande, e o cargo de assessor jurídico da vice-governadoria. “É apenas uma consultoria”.

Entre aspas “Pode descontar meu salário se eu faltar à sessão”. Do deputado Janduhy Carneiro (PPS), ao portal Políticapb, em defesa da assiduidade na Assembléia.
 

Leia Também