João Pessoa, 20 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração, presentemente exerce as funções de vice-presidente da APCA (Academia Paraibana de Ciência da Administração). Contato: diretorexecutivoaetc@yahoo.com.br

“Ô Paraíba boa!…”

Comentários:
publicado em 19/02/2011 às 13h29

Claro que todos sabemos o sentido/significado do termo “ô”, que abre o título destes escritos. É o próprio dicionário Aurélio que chama a atenção tratar-se de uma interjeição “para invocar, e, ainda, para exprimir vários afetos e impressões da alma”. Entretanto, sabemos também – e não consta no dicionário Aurélio – que esse “ô”, quando abrindo uma expressão como a do título acima, carrega, consigo, um tanto de ironia e, conforme o tom em que se expresse, pode caracterizar uma aprovação ou desaprovação!

Essa “Ô Paraíba boa!…” obviamente já foi expressa por muita gente. Mas, de modo repetitivo, em um só horário várias vezes, só a ouvi através da dupla de jornalistas Nilvan Ferreira/Fabiano Gomes, quando juntos apresentavam o programa radiofônico, da Arapuan, “Rádio Verdade”.
Fabiano Gomes transferiu-se da Arapuan para o Sistema Correio de Comunicação e, lá, no radiofônico da 98 FM, “Correio Debate”, também voltou a repetir, sempre que a ocasião fosse apropriada, essa expressão “Ô Paraíba boa!…”.

Por sua vez, Nilvan Ferreira, que passara a apresentar, com o jornalista Washington Luiz, o programa “Paraíba Verdade”, da Arapuan, juntos ainda mais popularizaram essa expressão “Ô Paraíba boa!…”.

Nilvan, entretanto, já está com novo projeto radiofônico, desta feita na FM 101.7, do Sistema Paraíba de Comunicação, com início previsto para março vindouro, juntando-se ao jornalista Gutemberg Cardoso para a apresentação do programa das 12 às 15 horas. E aí, nessa (para eles) nova emissora, certamente todos iremos ouvir, repetidas vezes: “Ô Paraíba boa!…”.

E se essa expressão tem tanto se adequado a esta nossa Paraíba relativamente às questões político-partidário-governamentais, ela – essa expressão – agora igualmente se adéqua às tantas “mexidas” já acontecidas e em vias de acontecer no âmbito do jornalismo, que se vincula ao setor privado.

Acima já foi dito que Fabiano Gomes era da Arapuan, agora está no Sistema Correio. Gutemberg Cardoso, que era do Sistema Correio, agora está no Sistema Paraíba de Comunicação, para onde vai (ou já está) também Nilvan Ferreira, que era da Arapuan. Marcelo José e Lenilson Guedes que faziam dupla no “Correio da Manhã” (rádio), igualmente se incorporam ao Sistema Paraíba de Comunicação.

Josival Pereira, que era do Sistema Correio, vai para o Sistema Tambaú de Comunicação, para onde também vai a jornalista Cláudia Carvalho, que era do Sistema Paraíba. Claro que essas “mexidas” não se fazem só por razões de ordem político-partidário-governamental. Essas razões estão atreladas, também, ao “ibope”. E, há que se registrar, ocorreram mudanças que não podemos dizer terem a ver com aspectos políticos, mas, tão somente para com o “ibope”, como o caso da dupla Samuca Duarte/Emerson Machado. E existem aquelas outras que soam apenas como de acomodação ou conveniência político-governamental.

Nisso tudo, porém, há um aspecto que todos reconhecemos como de relevância e pelo que também se aplica esta expressão “ô Paraíba boa!…”. E esta expressão assim se aplica não no sentido de ironia, muito menos de desaprovação. Ao contrário, é aplicável como aplauso e aprovação à qualidade e talento dos jornalistas paraibanos. Por isto – repita-se -, não como ironia, mas como aplauso e aprovação a esses jornalistas aqui mencionados, temos de exaltá-los também com a expressão: – “Ô Paraíba boa!…”;
 

Leia Também