João Pessoa, 11 de dezembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 1995 pela UFPB, com pós-graduação em Jornalismo Cultural. Radialista, marido de Gi, pai de Theo e editor setorial no jornal Correio da Paraíba. Torcedor do Flamengo e ex-professor do curso de Jornalismo na FFM. Já trabalhou, também, nos jornais A União e O Norte, no portal Tambaú 247, além das rádios Cabo Branco FM, Jovem Pan AM e CBN, sendo freelancer dos jornais O Globo e Estado de S.Paulo. Contato com a Coluna: jamarrinogueira@gmail.com

Hermano e a barreira

Comentários:
publicado em 23/05/2015 às 17h14

Não faz muito tempo encontrei o artista plástico Hermano José no estacionamento de uma farmácia do Bessa, bairro onde moro em João Pessoa. Não sei bem o porquê, mas decidi dizer a ele naquele momento o quanto seu trabalho era importante. Disse a ele o quanto o admirava. Ele sorriu. Agradeceu. E se foi… Quarta-feira passada, lembrei de Hermano enquanto caminhava na praia. Olhando para a barreira do Cabo Branco, pensei como seria bacana ter os olhos do artista para melhor observar aquele monumento que o homem faz questão de degradar.

Hermano morreu no final da tarde da última quinta-feira (21), em João Pessoa. Tinha 92 anos e estava internado no Hospital Samaritano, no bairro da Torre. Lutava contra problemas de pressão e comprometimento renal. Por décadas, pintou a barreira do Cabo Branco, suas belezas e sua degradação. O avanço do mar e o avanço do mal (humano). Nunca dissociei a barreira de Hermano. Nunca dissociei Hermano da barreira. As águas avançaram sobre o artista, mas sua arte permanece a mais valente nessa luta do rochedo com o mar….

Falta de sintonia

A Secretaria de Cultura do Estado sai da avenida Ruy Carneiro e muda de mala e cuia para Funesc. O secretário avisa poucas horas antes e a presidente da Funesc fica sabendo da mudança através de uma postagem no Facebook. Parece falta de sintonia? Parece. O secretário Lau Siqueira e a presidente Márcia Lucena são talentosos  demais para se permitirem esse tipo de ruído…

Há vagas…

O cinema paraibano está em alta. Os últimos 10 anos – em especial – foram intensos, gerando mão de obra qualificada em nosso Estado. Temos tanta gente boa que estamos exportando… Resultado: está difícil encontrar profissionais locais para produções em municípios paraibanos. Técnicos de som então…

Espaço HQ

A Fundação Espaço Cultural da Paraíba realiza, neste domingo (24) mais uma edição do projeto “Espaço HQ”. Desta vez, a atividade acontece no Cine-Teatro São José, em Campina Grande. A mesa-redonda “Quadrinhos independentes na Paraíba” reúne os quadrinistas Chateaubriand Almeida, Igor Tadeu e Shiko. Haverá o lançamento do atual trabalho de Shiko, “Lavagem”, distribuída pela editora Mino.

Leia Também